X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

COMPETIÇAO E RISCO DE PREDAÇAO ENTRE MAMIFEROS FRUGIVOROS NA MATA ATLANTICA

Resumo

Frugívoros podem perceber o risco de predação e evitar temporalmente as áreas em que são mais vulneráveis e cuja presença de grandes frugívoros é mais frequente. Entretanto, esse comportamento pode ser alterado em áreas onde os predadores de topo e grandes frugivoros estão ausentes. Diante disso, nós avaliamos se os grandes mamíferos frugivoros (como queixadas e antas) evitam temporalmente áreas com alta frequência de predadores e se pequenos frugivoros (como pacas, esquilos e outros roedores) evitam áreas com alta ocorrência de espécies maiores de frugivoros. Para isso, nós instalamos 189 armadilhas fotográficas sob árvores que estivessem frutificando em seis áreas protegidas da floresta atlântica e identificamos por vídeos todas as espécies registradas. Nós calculamos o índice de defaunação para cada uma dessas áreas e aplicamos modelos lineares generalizados e frequência de distribuição por período para testar nossas predições. Nossos resultados mostraram que predadores e pequenos frugivoros são mais frequentes a noite, enquanto que grandes frugivoros são mais frequentes durante o dia. Pequenos e grandes mamíferos frugivoros tendem a evitar áreas com alta frequência de predadores independente do período. Pequenos frugivoros também evitam áreas com alta frequência de grandes frugivoros. Entretanto, quando nós restringimos as análises somente para as áreas com alto grau de defaunação, as relações entre grandes predadores e grandes frugivoros durante o dia ou entre grandes e pequenos frugivoros durante a noite, foram perdidas. Nossos resultados sugerem que a defaunação pode influenciar os padrões de co-ocorrência espaço-temporal entre mamíferos frugivoros e predadores, alterando o comportamento desses animais.

Palavras-chave

Defaunação; ecologia do medo; Mata Atlântica

Financiamento

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio da bolsa de estudo e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) que financiou esta pesquisa (processos 2014/01986-0 e 2014/09300-0).

Bolsa produtividade do CNPq à Katia MPMB Ferraz (processos 308503/2014-7 e 308632/2018-4) e ao IDEA Wild pela doação das câmeras.

Área

Ecologia

Autores

Daiane Cristina Carreira, Jedediah Brodie, Katia Maria Paschoaletto Micchi Barros Ferraz, Mauro Galetti