X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

PANORAMA CIENTIFICO DA MASTOFAUNA PIAUIENSE

Resumo

Os mamíferos estão seriamente ameaçados devido à fragmentação, modificação de habitats, introdução de espécies exóticas e a caça predatória. No Nordeste do Brasil, a mastofauna foi historicamente negligenciada em termos de pesquisa científica e a lacuna de conhecimento pode piorar o cenário de políticas públicas para conservação. O estado do Piauí possui área de 251.577,738 km² e é composto por várias formações vegetais (cerrado, caatinga, transição cerrado/caatinga e semidecídua/cerrado e vegetação litorânea. O objetivo deste trabalho foi obter um panorama do conhecimento científico da mastofauna do Piauí das últimas três décadas e identificar as principais linhas de pesquisa, lacunas espaciais de amostragem. Além disso, entender o esforço da pesquisa em ecologia.  O estudo foi desenvolvido por meio de levantamento bibliográfico de artigos científicos, Teses, Dissertações, monografias e resumos de congressos em plataformas acadêmicas (Google acadêmico, Scopus, Science Direct, Web of Science e Periódicos capes). Foram encontradas 71 pesquisas sobre mamíferos terrestres no Estado, distribuídos em artigos (60), teses (3), dissertações (4) e resumos (4). No qual as linhas de pesquisas recorrentes foram: ecologia (40%), biogeografia (18%), saúde animal (17%), genética (7%), parasitologia (6%), caça (3%), anatomia (3%), saúde humana (3%), etnozoologia (1%), evolução (1%) e atropelamento (1%). A maior parte dos estudos foi realizada nos municípios de São Raimundo Nonato, Gilbués ( Fazenda Boa Vista) e Caracol. Dos 28 trabalhos levantados sobre ecologia, 67,8% deles foram realizados na região de São Raimundo Nonato. Os métodos mais utilizados em todos esses estudos foram respectivamente: armadilhas fotográficas, observação direta e transectos lineares. Apenas 25,3% dos estudos foram realizados por instituições da região Nordeste. As pesquisas realizadas por instituições do Piauí somam apenas 11,2%, resultados de esforços da Universidade Federal do Piauí (UFPI), os demais trabalhos foram realizados por instituições de outras regiões, como Fiocruz e UNB, e internacionais, como a University Cambridge.  Desde 1993 que existem publicações acerca da mastofauna do Piauí, porém só a partir da década de 2000 a atenção pela mastofauna piauiense aumentou. No entanto, apenas na década de 2010 que houve uma crescente gradativa, com 64, 28% do total de pesquisas realizadas no estado. Diante disso, percebe-se que o interesse em estudar os mamíferos do Piauí, é algo recente, além disso, os resultados apontam uma quantidade pequena de estudos realizada nos últimos 30 anos. Os resultados mostraram que a situação da produção científica sobre a mastofauna é incipiente e podem causar um viés no atual conhecimento sobre a diversidade e distribuição dos mamíferos. Por outro lado, as lacunas de pesquisa fornecem direcionamento para novos estudos e se mostram como uma oportunidade para emergir linhas voltadas para monitoramento e avaliação de indicadores de conservação nas próximas décadas. Esse trabalho mostra importância de se realizar mais estudos acerca dos mamíferos silvestres no estado e reforçar o incentivo para pesquisa científica nas instituições autóctones.

Palavras-chave

caatinga, mamíferos, ecologia e métodos.

Financiamento

CNPq (ICMBio/FAPs nº18/2017)

Área

Biogeografia/Macroecologia

Autores

Jéssica Carvalho de Souza, Kelly da Trindade Oliveira, Liana Mara Mendes de Sena