X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

BIOLOGIA DE PHYLLOSTOMUS SPP. (CHIROPTERA, MAMMALIA) DA CAATINGA DO ESTADO DO CEARA (BRASIL)

Resumo

     Quirópteros são de suma importância para os ecossistemas, contribuindo para a dispersão, polinização e controle das populações de insetos. O Gênero Phyllostomus inclui quatro espécies de morcegos, todas com representantes no Brasil: Phyllostomus discolor (Wagner, 1843), Phyllostomus hastatus (Pallas, 1767), Phyllostomus elongatus (É. Geoffroy, 1810) e Phyllostomus latifolius (Thomas, 1901). O presente estudo foi conduzido na Caatinga, um bioma exclusivo do Brasil, que apresenta uma grande biodiversidade e abriga diversas espécies endêmicas e ameaçadas. Buscou-se estudar dados biológicos de duas espécies de Phyllostomus da RPPN Serra das Almas –  a primeira Área de Importância para Conservação dos Morcegos na Caatinga, incluindo biometria, dieta, reprodução e parasitologia. Durante dez dias de coleta com auxílio de redes de neblina nas estações seca e chuvosa nos anos de 2000, 2012 e 2013, foram capturados nove espécimes de P. discolor e três de P. hastatus. Os animais foram mantidos em sacos de algodão para obtenção do material fecal, foram obtidos dados biométricos com auxílio de paquímetro digital e balança tipo “pesola”; observou-se a condição reprodutiva, e os ectoparasitos encontrados foram removidos e armazenados em álcool 70%. Os vouchers dos morcegos foram depositados na coleção Adriano Lúcio Peracchi (UFRRJ). Em laboratório foram analisados os resíduos fecais e órgãos internos sob estereomicroscópio. Os fragmentos de insetos e sementes encontrados nas fezes foram identificados por meio da bibliografia disponível, os ectoparasitos e os endoparasitos foram encaminhados para identificação por especialistas. Apenas um indivíduo, de P. discolor estava sexualmente ativo: um macho em janeiro. A dieta incluiu frutos de Ficus gomelleira, insetos (Hexapoda) das ordens Diptera, Hemiptera e subordem Homoptera – Família Cicadellidae. Cinco indivíduos de P. discolor estavam ectoparasitados pelo ácaro Periglischrus torrealbai e por um Diptera em fase de identificação. Foram observados ainda os helmintos Nematoda e Trematoda que estão em fase de identificação. Dois tratos gastrointestinais completos puderam ser medidos com auxílio de régua milimétrica, sendo um exemplar de P.discolor com 17,5 cm e outro de P. hastatus com 30,0 cm. Os dados biométricos demonstraram que as duas espécies de Phyllostomus  apresentaram medidas inferiores às registradas em outros trabalhos. Fatores como disponibilidade de alimento, competição e condições ambientais podem influenciar no tamanho dos animais, porém apenas estudos de longo prazo poderão confirmar se algum fator ambiental pode justificar a biometria das espécies estudadas. A dieta apresentada pelas espécies está de acordo com o encontrado na literatura, porém a utilização de Ficus gomelleira na dieta é o primeiro registro para as espécies estudadas. O registro do ectoparasito Periglischrus torrealbai em P. discolor é o primeiro para o bioma Caatinga.  A medida obtida no trato gastrointestinal de P.discolor é superior à encontrada na literatura, enquanto que o valor encontrado para P.hastatus é inferior – como a amostra analisada é pequena, não é possível inferir qualquer justificativa. Os resultados encontrados demonstram que estudos sobre biologia de morcegos da Caatinga ainda são escassos e se mostram uma importante ferramenta para o entendimento da dinâmica no semiárido brasileiro, o que pode auxiliar futuros projetos de conservação.

Palavras-chave

Palavras-chave: morcegos, dieta, reprodução, parasitologia.

Financiamento

Área

Ecologia

Autores

Isabel Cardim de Resende, Patrícia Gonçalves Guedes, Shirley Seixas Pereira da Silva