X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ALOPECIA EM QUIROPTEROS: REGISTRO EM TRES PARQUES URBANOS NO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL

Resumo

A alopecia ou hipotricose total é um distúrbio caracterizado pela ausência completa de pelos enquanto a hipotricose parcial é a diminuição ou perda do pelo, localizada ou generalizada, temporária ou permanente, de qualquer origem, ocorrendo em todos os mamíferos e podendo ser classificada como não cicatricial e cicatricial. As hipotricoses podem se originar a partir de: variações hormonais sazonais de ordem reprodutiva ou ligadas ao estresse; infecções microbianas micóticas, bacterianas e virais; de origem parasitária causadas pela infestação por ácaros, pulgas e demais ectoparasitos; doenças nutricionais  que envolvem carências vitamínicas e minerais; e intoxicações por metais pesados. Este trabalho tem como objetivo relatar a ocorrência de alopecia em quirópteros em três Parques Naturais Municipais da cidade do Rio de Janeiro. Coletas foram realizadas entre os anos de 2009 e 2018 nos PNM da Freguesia (Bosque da Freguesia), PNM Chico Mendes e PNM Arruda Câmara (Bosque da Barra) localizados no Município do Rio de Janeiro. Durante os trabalhos de campo, observou-se em cada morcego capturado a ocorrência de alopecia, a localização da lesão, a intensidade, o estágio de recuperação, a presença de ectoparasitos e o estágio reprodutivo. Foram capturados 664 indivíduos sendo 335 machos e 329 fêmeas pertencentes às famílias Phyllostomidae (n=9), Noctilionidae (n=1) e Vespertilionidae (n=1). Foi observada alopecia em 58 morcegos (8,75%) sendo 23 machos e 35 fêmeas em cinco espécies: Artibeus fimbriatus (Gray, 1838) (n=5/113); Artibeus lituratus (Olfers, 1818) (n=44/307); Artibeus obscurus (Schinz, 1821) (n=5/95), Glossophaga soricina (Pallas, 1766) (n=2/41) e Phyllostomus hastatus (Pallas, 1767) (n=2/15). Do total, 186 morcegos de cinco espécies não apresentaram sinais de alopecia: Anoura caudifer (Geoffroy, 1818) (n=1), Artibeus planirostris Spix, 1823 (n=12), Carollia perspicillata (Linnaeus, 1758) (n=56), Myotis nigricans (Schinz, 1821) (n=17), Noctilio leporinus (Linnaeus, 1758) (n=1) e Plathyrrinus lineatus (Geoffroy, 1810) (n=5). Registrou-se 57 indivíduos com alopecia no PNM Freguesia, um no PNM Chico Mendes e no PNM Arruda Câmara não foram capturados morcegos com alopecia. A ocorrência concomitante de alopecia e ectoparasitismo por artrópodes foi registrada em 22 animais (37,93%). A alopecia observada pôde ser classificada em intensa ou parcial quando era evidente a identificação de áreas em processo de recuperação da pelagem. No período de outubro a janeiro foram observadas as maiores porcentagens de indivíduos com alopecia. Ao se avaliar a condição reprodutiva, foram encontrados 274 indivíduos em atividade reprodutiva concentrados principalmente entre os meses de agosto e maio. A associação de alopecia em indivíduos com atividade reprodutiva foi encontrada em 37 indivíduos e o período de maior ocorrência dessa associação foi no período compreendido de agosto a janeiro. Diferentes são os fatores que provocam a alopecia em quirópteros. Sabe-se que a ação de ectoparasitas e o ciclo hormonal reprodutivo são fatores importantes para sua ocorrência em fases diferentes do ano. Os achados nesse trabalho corroboram com a literatura atual no que diz respeito da associação desses fatores na ocorrência da alopecia, porém, estudos mais específicos devem ser desenvolvidos para a comprovação destas associações e de outros fatores causadores dessa ocorrência. 

Palavras-chave

Alopecia, quirópteros, ectoparasitos, reprodução

Financiamento

Área

Fisiologia

Autores

Clayton Bernardinelli Gitti, Shirley Seixas Pereira Silva, Patricia Gonçalves Guedes