X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

DIETA DE EPTESICUS FURINALIS (D’ORBIGNY & GERVAIS, 1847) (MAMMALIA-CHIROPTERA) EM AREA DE CAATINGA DO ESTADO DO CEARA, BRASILP

Resumo

A Caatinga é um bioma exclusivamente brasileiro, encontrada principalmente no Nordeste e ocupa uma área de 734.478Km2, onde estão listadas 143 espécies de mamíferos, sendo 92 espécies de morcegos. Para o Estado do Ceará são confirmadas 62 espécies, representadas nas famílias Emballonuridae, Mormoopidae, Natalidae, Noctilionidae, Phyllostomidae, Furipteridae, Vespertilionidae e Molossidae. Os morcegos da Família Vespertilionidae apresentam olhos pequenos, orelhas de tamanho e forma variadas e uma cauda longa, mas que raramente ultrapassa o uropatágio; a folha nasal está ausente. Vespertilionídeos são encontrados em regiões tropicais e temperadas, e no Brasil estão distribuídos entre as subfamílias Vespertilioninae e Myotinae, com 20 e nove espécies, respectivamente. Embora os indivíduos destas espécies sejam reconhecidos amplamente como de hábito insetívoro, há poucos dados sobre os itens que compõem sua dieta. Eptesicus furinalis (d’Orbigny & Gervais, 1847) é um vespertilionídeo da subfamília Vespertilioninae que habita florestas primárias e secundárias, fragmentos florestais e edificações humanas. São encontrados em todos os biomas brasileiros, sendo na região nordeste registrados para os estados do Ceará, Pernambuco e Bahia. Devido aos poucos registros sobre a dieta deste morcego insetívoro aéreo, este estudo teve por objetivo identificar os itens alimentares consumidos por E. furinalis em uma região de Caatinga no Estado do Ceará. As atividades de campo ocorreram nos meses de julho de 2012 e janeiro e fevereiro de 2013 na RPPN Serra das Almas (05°05’- 05°15’S e 40°50’- 41°00’W), primeira Área de Importância para a Conservação de Morcegos do bioma Caatinga. Para a captura dos animais, redes de neblina foram estendidas em trilhas e sobre cursos d’água, em altitude variando de 569 a 650m. Com um esforço amostral de 46.575 m²/h, seis exemplares de Eptesicus furinalis foram capturados e seus dados biométricos e reprodutivos anotados em planilha. Os morcegos foram acondicionados em sacos de pano para recolhimento das fezes, que foram armazenadas em microtubos plásticos. As quatro amostras fecais obtidas foram desmanchadas sob estereomicroscópio (40x) em laboratório e os fragmentos identificáveis foram montados em lâminas permanentes. A partir da análise das lâminas em microscópio óptico (400x) foi possível identificar fragmentos de insetos (Hexapoda) da Ordem Coleoptera (Famílias Cerambicidae, Chrysomelidae e Elateridae) e Ordem Lepidoptera (Família Noctuidae) compondo a dieta dessa espécie. Não existem registros da preferência alimentar de Eptesicus furinalis para o Estado do Ceará – assim, as informações obtidas nesse estudo são inéditas. Os morcegos foram incorporados como vouchers na coleção Adriano Lúcio Peracchi (UFRRJ/RJ). Os resultados obtidos até o momento demonstram a importância de estudos que busquem descrever interações ecológicas dos morcegos, a fim de subsidiar propostas mais eficazes para a conservação das espécies. Os trabalhos foram autorizados pelo ICMBio através da licença nº 32684-1.

Palavras-chave

Morcego, Vespertilionidae, Eptesicus furinalis, Ceará

Financiamento

CNPq (Processo nº 470935/2011-1)

Área

Ecologia

Autores

Raíssa Silva Dias Oliveira, Shirley Seixas Pereira Silva, Juliana Cardoso Almeida, Patrícia Gonçalves Guedes