X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

UM CASO DE ESPOLIAÇAO EM HUMANO POR DIAEMUS YOUNGI (CHIROPTERA: DESMODONTINAE)

Resumo

Dentre os morcegos apenas três espécies apresentam hábito alimentar hematófago são eleas Desmodus rotundus, Diphylla ecaudata e  Diaemus youngi todas com distribuição restrita as Américas e ampla ocorrência no Brasil. Em Pernambuco o Desmodus rotundus e Diphylla ecaudata são mais amplamente distribuídas e com registro em áreas urbanas. Das três espécies os relatos de espoliação em humanos eram apenas registrados para Desmodus rotundus até 2016, quando ocorreu o registro do consumo de sangue humano por Diphylla ecaudata. O presente trabalho vem descrever uma atividade alimentar de Diaemus youngi em humano. O caso ocorreu no município de Ipojuca localizado na Zona da Mata Sul de Pernambuco, região metropolitana do Recife, distante 49 km da capital (08º23'56" de latitude sul e 35º03'50" de longitude oeste), a uma altitude de 10 metros. O município tem uma população estimada em 94.709 habitantes, possui uma área territorial de 527.107 quilômetros quadrados e um grau de urbanização de 68%. O evento se deu no dia 11 de novembro de 2018 na zona rural, quando um morador de 44 anos acordou a noite em seu quarto com um morcego fazendo a sangria em seu braço. O mesmo quando despertou por volta das zero horas percebeu a movimentação do mesmo e o matou. No dia seguinte o morador o encontrou no chão e procurou um posto de saúde levando o animal. O agredido foi encaminhado para as medidas profiláticas adequadas. De acordo com informações observadas em seu cartão de imunização no dia 01-11-18 o paciente recebeu 15 ml de imunoglobulinas heterólogas contra o vírus rábico e uma dose de vacina antirrábica nos dias 04, 08 e 15 do mesmo mês. O morcego foi encaminhado a Vigilância Ambiental de Ipojuca e posteriormente ao LACEN/PE para identificação e pesquisa do vírus da raiva. O espécime coletado era um indivíduo adulto, macho e após ter sido identificado foi enviado ao laboratório de referência, LACEN/BA, para os testes de Imunofluorescência Direta e Prova Biológica. Suas características anatômicas o identificaram como Diaemus youngi (presença das glândulas bucais bem evidentes, coloração branca nas extremidades das suas asas, polegar com uma única almofada basal e apenas incisivos inferiores externos bilobados). Próximo ao sítio onde o evento ocorreu haviam fragmentos florestais de Mata Atlântica, áreas de cultivo de cana de açúcar e presença de animais domésticos. A casa era de alvenaria com telhado de madeira e telhas cerâmicas estilo colonial, com frestas entre a parte superior das paredes e o telhado que possibilitavam o acesso dos morcegos ao seu interior. Este relato evidencia o primeiro registro de espoliação em humanos pelo Diaemus youngi, que demonstra uma maior amplitude do hábito alimentar da espécie que consome preferencialmente sangue de aves, corroborando a necessidade de um maior estudo sobre os seus hábitos alimentares em condições naturais e sobre sua ocorrência em áreas próximas a habitações humanas.

Palavras-chave

Dieta, Hábito alimentar, Hematófagos, Raiva, Saúde pública

Financiamento

Área

Parasitologia/Epidemiologia

Autores

Luiz Augustinho Menezes da Silva, José Lindenberg Martins Machado, Marcos Alexandre Barbosa de Santana, Andrea Lopes de Oliveira, Eduardo José da Silva, Juliana Carla Serafim da Silva