X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

Pula Carrapato: um game com pegada ecológica

Resumo

Introdução: A febre maculosa, doença transmitida por carrapatos, tem sido observada tanto em ambientes urbanos quanto rurais de nosso país, com marcante incidência na região sudeste, principalmente no outono e na primavera. A casuística está centrada em homens de 20 a 49 anos, ressaltando-se que nos últimos anos mais de 10% dos casos registrados estão relacionados a crianças menores de nove anos de idade. Portanto, acreditamos ser oportuno desvelar informações a respeito do ciclo de vida do carrapato e a inadvertida participação do ser humano em diferentes cenários ecoepidemiológicos da doença no Brasil para um público cada vez mais jovem. Objetivo: Estabelecer um diálogo através das telas dos smartphones usando um game para descrever a insólita viagem de um simpático carrapato em busca de completar seu ciclo de vida, interagindo com seus possíveis hospedeiros mamíferos em distintos cenários ecológicos e, eventualmente, provocando a febre maculosa em seres humanos, essa expressa através de um minigame que busca relacionar a precocidade de diagnóstico com a oportunidade de um adequado tratamento. Material e Métodos: Retratar fatos reais de forma lúdica, com jogabilidade intuitiva e desafios extras em cada um dos cenários do game, para que o jogador pudesse ter uma experiência de jogo individualizada e, assim, se observar como verdadeiro tomador de decisão, modificando as suas condutas quanto à prevenção para doenças transmitidas por carrapatos.  Resultados: O game foi desenvolvido como um recurso comunicacional da Fundação Oswaldo Cruz entre os anos de 2017 e 2019, estando sua versão de demonstração disponibilizada de forma gratuita através da loja de aplicativos Play Store com o título de Pula Carrapato. Discussão: A disposição de regras de jogo baseadas na ecologia dos carrapatos, emulando a necessidade de evoluir em seus diversos estágios para a manutenção da vida e, por consequência, de sua própria espécie, conduz o jogador a observar a febre maculosa por uma ótica mais holística, comum ao movimento da Saúde Única em que ecologia, ambiente, saúde e comportamento humano estão imbricados, se contrapondo à acepção tradicional de saúde-doença, ainda encontrada em livros didáticos e conteúdos informacionais disponibilizados em sites eletrônicos e nas revistas médicas para consumo leigo. Pareceu-nos importante a inclusão de informações, ainda que de forma sucinta, sobre a biologia das espécies de carrapatos envolvidas na transmissão dessa e de outras possíveis doenças aos seres humanos, assim como as formas de prevenção e de controle adotadas pela vigilância epidemiológica no Brasil. Para tal disponibilizamos os links para acesso ao Portal Fiocruz e ao sítio eletrônico do Ministério da Saúde nos créditos do game. Conclusão: O game pode ser adotado como uma potente ferramenta comunicacional voltada para divulgação científica, no caso particular relacionando ecologia à saúde coletiva, principalmente pela oportunidade de interagir com um público jovem e ávido consumidor de informação, nesse caso fomentando o autocuidado para com a exposição aos fatores de risco para a febre maculosa e ampliando o conhecimento a respeito da ecologia dos carrapatos de importância para a saúde coletiva no Brasil.

Palavras-chave

Ecologia; Saúde Única; Carrapato; Febre Maculosa; Jogos Digitais. 

Financiamento

Fundação Oswaldo Cruz / Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC/Fiocruz)

Área

Educação Ambiental/Ensino

Autores

CLAUDIO MANUEL RODRIGUES, LENA GEISE, GILBERTO SALLES GAZETA