X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

FAUNA DE MORCEGOS DA SERRA DA BODOQUENA, MATO GROSSO DO SUL

Resumo

Morcegos neotropicais geralmente constituem comunidades ricas em espécies, em parte devido à ampla diferenciação entre elas quanto ao uso de recursos. Dentre as famílias de morcegos neotropicais, Phyllostomidae compreende a maior parte da diversidade taxonômica e de hábitos alimentares. A formação cárstica da Serra da Bodoquena, próxima à porção sul do Pantanal, representa região de grande importância para a conservação, porém ainda muito pouco conhecida com respeito às espécies de morcegos. O objetivo do presente trabalho é descrever a composição e a riqueza de espécies de morcegos da Serra da Bodoquena, com base em levantamento de longo prazo em 20 sítios amplamente distribuídos na região. As espécies de morcegos foram amostradas entre julho de 2015 e março de 2019 por meio de capturas em redes-de-neblina. Cada sítio foi amostrado durante seis noites, três no inverno e três no verão em anos diferentes, totalizando 120 noites de amostragem. Em cada noite, 10 redes-de-neblina (12 x 2,6 m) permaneceram abertas por seis horas, totalizando 224.640 m2h de esforço de captura (11.232 m2h por sítio). Capturamos 2666 indivíduos (1862 no verão e 804 no inverno) pertencentes a 28 espécies e quatro famílias – Phyllostomidae (24 espécies), Vespertilionidae (2), Molossidae (1) e Noctilionidae (1). As espécies com maior número de indivíduos capturadas foram os filostomídeos Artibeus planirostris (n = 1142), Sturnira lilium (n = 556), Carollia perspicillata (n = 378), Platyrrhinus lineatus (n = 292) e Glossophaga soricina (n = 106). Morcegos não-filostomídeos foram pouco representados – Myotis nigricans (n = 7), Eptesicus furinalis (n = 1),  Molossops temminckii (n = 1), Noctilio leporinus (n = 1). Ao todo, 16 espécies (57%) foram representadas por cinco ou menos indivíduos capturados. Catorze espécies foram registradas pela primeira vez na região da Bodoquena – Anoura geoffroyi, Chiroderma doriae, C. villosum, Dermanura cinerea, Lonchophylla dekeyseri, Lophostoma brasiliense, L. silvicolum, Micronycteris microtis, Phyllostomus discolor, Pygoderma bilabiatum, Platyrrhinus helleri, Tonatia bidens, Eptesicus furinalis, Noctilio leporinus. Por outro lado, seis espécies previamente reportadas para a região não foram registradas em nossas amostragens. O presente levantamento e os registros anteriores sustentam a ocorrência de 34 espécies de morcegos na região da Serra da Bodoquena. A forte predominância de filostomídeos sobre as demais famílias é provavelmente associada ao uso de redes-de-neblina como método de captura, indicando a necessidade de inventários apropriados para amostragens de outras famílias. A grande disponibilidade de abrigos em fendas e cavernas gera expectativa de novos registros de morcegos não-filostomídeos. Portanto, a Serra da Bodoquena apresenta grande riqueza de espécies registradas e grande potencial de registros de novas espécies de morcegos, reforçando sua importância para a manutenção da biodiversidade regional.

Palavras-chave

Chiroptera, diversidade, Lonchophylla dekeyseri , Phyllostomidae, região cárstica 

Financiamento

Fundect, CNPq

Área

Inventário de Espécies

Autores

Carolina Barbosa de Souza, Alêny Lopes Francisco, Carolina Ferreira Santos, Erich Fischer