X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

RECONSIDERANDO A TAXONOMIA DAS ESPECIES DE PARAUACUS DO GRUPO PITHECIA IRRORATA (PRIMATES: PITHECIIDAE)

Resumo

O número de espécies de parauacus (gênero Pithecia) aumentou consideravelmente nos últimos anos. Na primeira revisão taxonômica abrangente para o gênero, cinco espécies foram reconhecidas: Pithecia albicans, P. aequatorialis, P. irrorata, P. monachus e P. pithecia. Pithecia irrorata foi reconhecida como politípica com duas subespécies: P. irrorata irrorata e P. irrorata vanzolinii. Na revisão taxonômica mais recente do gênero ambas subespécies foram consideradas espécies plenas, com base principalmente no padrão de coloração da pelagem. Adicionalmente, Pithecia irrorata foi considerado um complexo e a partir dela três novas espécies foram descritas: P. mittermeieri, P. rylandsi e P. pissinattii. Entretanto, as diagnoses e distribuições geográficas destas novas espécies não foram bem definidas, trazendo confusão taxonômica para estudos subsequentes. Além disso, esta nova proposta taxonômica baseou-se no fato de que o material-tipo de P. irrorata teria sido coletado no Peru e não no Brasil, como informado na descrição original da espécie. Assim, o objetivo deste trabalho foi abordar o status taxonômico do grupo de espécies Pithecia irrorata, e para isto realizamos análises comparativas utilizando a mesma fonte de evidência: variação de coloração da pelagem, adicionado a uma extensa revisão bibliográfica. O material analisado incluiu 55 espécimes do grupo depositados em coleções zoológicas nacionais e internacionais, incluindo os espécimes-tipo, abrangendo a distribuição geográfica das populações de Pithecia ao longo do Peru, Bolívia e Brasil. Com base em nossos resultados, reconhecemos dois grupos que são morfologicamente diagnosticáveis e correspondem a populações geograficamente isoladas: P. irrorata, restrita ao sul dos rios Amazonas-Solimões desde os rios Tapajós-Juruena-Arinos ao oeste até a bacia do rio Purus no Brasil; sudoeste do Peru, nas duas margens do rio Madre de Dios; na Bolívia, na margem oeste do rio Madre de Dios. Este grupo caracteriza-se por apresentar um padrão de grisalho causado pelo padrão de coloração dos pelos, que são pretos com faixas subterminais esbranquiçadas nos braços, pernas, tronco e cauda. O segundo grupo, P. vanzolinii, está presente entre a margem leste do rio Juruá e a margem oeste do rio Tarauacá, possui coloração geral do corpo preta, com pelagem amarelada contrastante nas mãos e os pés. Além disso, não encontramos evidências de contato ou sobreposição geográfica entre esses dois grupos. Em termos de dicromatismo sexual, não detectamos diferenças no padrão geral de coloração entre fêmeas e machos em nenhum dos grupos. Não encontramos evidências bibliográficas que suportem a hipótese de que o material-tipo de Pithecia irrorata tenha sido coletado no Peru, mas sim em alguma região da Amazônia brasileira ao sul dos rios Purus e Amazonas. Finalmente, reconhecemos P. mittermeieri, P. rylandsi e P. pissinattii como sinônimo-juniores de Pithecia irrorata.

Palavras-chave

variação geográfica, variação da pelagem, pitecídeos, macaco-velho, morfologia   

Financiamento

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil (CAPES) – Código de financiamento 001

Área

Sistemática e Taxonomia

Autores

José Eduardo Serrano-Villavicencio, Rafaela Lumi Vendramel, Cindy Meliza Hurtado, Fabio Oliveira do Nascimento