X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

AMPLIAÇAO DA DISTRIBUIÇAO DO GENERO CRYPTONANUS NA MATA ATLANTICA DO SUDESTE BRASILEIRO

Resumo

Cryptonanus é o gênero mais recentemente descrito de marsupiais didelfídeos, com quatro espécies válidas, e apresenta uma ampla distribuição geográfica nos biomas abertos do interior da América do Sul. Entretanto, registros de Cryptonanus são raros na Mata Atlântica, com apenas um registro publicado na Serra das Araras, estado do Rio de Janeiro. Neste trabalho documentamos dois novos registros de C. agricolai em dois remanescentes florestais do litoral Norte Fluminense, o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba (PNRJ), no município de Carapebus, e a Fazenda Santa Rita, no município de Macaé. Ambas as áreas foram inventariadas por armadilhas-de-queda. O esforço-amostral no PNRJ de agosto de 2013 a janeiro de 2018 foi de 11.172 baldes-noite, e na Faz. Santa Rita de 960 baldes-noite ao longo de fevereiro de 2018. Adicionalmente, no PNRJ, uma revisão de fragmentos mandibulares previamente recuperados em pelotas de coruja (Tyto furcata) também foi realizada. A identificação dos espécimes foi realizada por meio de comparações morfológicas com espécimes de Gracilinanus e Monodelphis depositados na coleção do NUPEM/UFRJ, e em inferências filogenéticas por máxima verossimilhança (ML), método Bayesiano (BY) e distâncias genéticas (distância p), a partir de sequências de 801pb do gene mitocondrial citocromo b (CYTB). As análises moleculares contaram com sequências de C. agricolai, C. chacoensis, C. guaybae, C. unduaviensis, Thylamys e Gracilinanus depositadas no GenBank. Dois exemplares, um na Faz. Santa Rita e outro no PNRJ, foram coletados em armadilhas-de-queda instaladas no interior de fragmentos florestais, em fevereiro e março de 2018, respectivamente. As análises ML e BY evidenciaram a inclusão destes espécimes no gênero Cryptonanus, especificamente em um clado composto por mais duas sequências de espécimes do Piauí e Serra das Araras identificados como C. agricolai. Os dois espécimes do Norte Fluminense e o exemplar de Serra das Araras compartilham o mesmo haplótipo de CYTB e divergem do espécime do Piauí por apenas 2,6% de distância-p, apesar da grande distância geográfica. A maioria dos caracteres diagnósticos de Cryptonanus são apresentados pelos dois exemplares do Norte Fluminense: a altura do P3 maior do que P2, ausência de fenestras maxilares, forâmen oval secundário ausente e processo rostral ausente, coloração do ventre bege homogêneo, com pelos sem base cinza. Os dois exemplares apresentaram também cíngulo anterior completo no M3 (incompleto em C. chacoensis), mas não apresentaram cúspides acessórias nos caninos. Entre os fragmentos nas pelotas, apenas 3 indivíduos foram identificados como Cryptonanus por apresentarem as cúspides acessórias nos caninos e entoconido bem desenvolvido no m2. Estes exemplares equivalem a apenas 0,085% do total de indivíduos de pequenos mamíferos presentes nas pelotas, reforçando a raridade local da espécie. Este trabalho amplia a distribuição do gênero Cryptonanus para a Mata Atlântica e documenta o registro mais litorâneo de C. agricolai, sugerindo que esta espécie pode ter uma distribuição bem mais extensa e contínua na região costeira do sudeste brasileiro. A raridade local dessa espécie reforça a importância de amostragens de longa-duração para documentar a distribuição desta espécie, que apresenta deficiência de dados (DD pela IUCN) para sua conservação.

Palavras-chave

Didelphidae; Inventário; Pequenos mamíferos; Taxonomia integrativa.

Financiamento

Área

Sistemática e Taxonomia

Autores

Isabelle Chagas, Carina Azevedo Oliveira Silva, Victor Coutinho, Hudson Macedo Lemos, Pablo Rodrigues Gonçalves