X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

DENSIDADE POPULACIONAL E USO DO ESPAÇO POR KERODON RUPESTRIS (RODENTIA: CAVIIDAE) EM UMA AREA DE CAATINGA, NORDESTE DO BRASIL

Resumo

Kerodon rupestris é um roedor endêmico do Brasil, com ocorrência principalmente em regiões de Caatinga, sendo exclusivo de ambientes com afloramentos rochosos. Dados obtidos até o momento demonstram que esta espécie ocorre em baixa densidade populacional. Desta maneira, este estudo objetivou caracterizar a densidade populacional e o uso do espaço (tipo de substrato e estratificação vertical na vegetação) por K. rupestris em uma área de Caatinga com 2.183 ha, localizada no estado de Sergipe, nordeste do Brasil. A estimativa da densidade populacional foi realizada através da metodologia de amostragem por distância em quatro transecções lineares, com extensão entre 292-817m, percorridos mensalmente em dias alternados pela manhã e tarde, e analisados pelo software DISTANCE 7.2. Para caracterizar o uso do espaço foi verificada, nas mesmas transecções, a utilização do substrato rochoso ou vegetação pela espécie no momento da observação e a variação nesse uso foi testada através de um GLM. Para avaliar diferenças entre as frequências de registros de K. rupestris para as classes de altura na vegetação (0,1-1m; 1,1-2m; 2,1-3m e >3m) também foi utilizado um GLM. Ambas as análises referentes a utilização do espaço foram realizadas no ambiente R, com significância de 5%. Foram obtidos 448 registros de indivíduos de K. rupestris para um total de 15.448 metros percorridos entre setembro de 2018 a abril de 2019. O melhor modelo ajustado para a população estudada de K. rupestris foi o hazard-coseno com truncamento dos dados de distâncias perpendiculares em 30m (Densidade populacional= 76,987 ind./hectare). Para o uso do espaço, dos 448 registros, 94,8% das observações ocorreram no substrato rochoso (n= 425) enquanto apenas 5,1% foram obtidos na vegetação (n= 23), sendo essa diferença significativa (p<0,001). Não houveram diferenças nos registros entre as classes de altura para a estratificação vertical na vegetação (p= 0,51), havendo registros de utilização pela espécie em todos os intervalos de altura. A densidade populacional obtida neste estudo demonstrou valores acima do registrado anteriormente para esse roedor em outra área de Caatinga. Possivelmente, as características ambientais que diferem estes ambientes (e.g. nível de preservação) influenciaram o maior registro de K. rupestris na presente localidade, sendo esta formada por uma vegetação densa e por uma extensa área de rochas empilhadas, que conferem condições ideais para a sobrevivência e reprodução da espécie, com filhotes registrados em todos os meses de estudo. Este estudo demonstra que essa espécie possui habilidade para escalar árvores, sendo estes registros para alimentação ou repouso acima do solo. Dessa maneira, K. rupestris pode ocorrer em grandes densidades populacionais de acordo com as características do ambiente e que os afloramentos rochosos são importantes para a ocorrência da espécie. No entanto, este roedor demonstra capacidade para utilizar amplamente o espaço, sendo que também pode ser avistado explorando diferentes alturas da vegetação.

Palavras-chave

Amostragem por distância, estratificação vertical, mocó, semiárido, Sergipe.

Financiamento

Capes e Fapitec/SE

Área

Ecologia

Autores

Anderson Mendonça Conceição, Adriana Bocchiglieri