X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

COLEÇÃO DE MAMÍFEROS "ALEXANDRE RODRIGUES FERREIRA" (CMARF-UESC): UMA FONTE DE CONHECIMENTO NA BAHIA, BRASIL

Resumo

O Estado da Bahia abrange três biomas terrestres, dois deles considerados hotspot a nível internacional, e um bioma marinho, com um litoral de mais de 1100Km. Na região sul do Estado, especialmente na região cacaueira e no coração da Mata Atlântica, se encontra a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), a principal instituição de ensino superior nesse vasto espaço do território baiano. A Coleção de Mamíferos da UESC abriga o maior acervo científico de mamíferos na Bahia, e homenageia com seu nome a Alexandre Rodrigues Ferreira, o primeiro baiano a empreender um conjunto de estudos sobre a história natural do Brasil Colônia, sobre os fundamentos da economia, do desenvolvimento, da sociologia, da geografia e da civilização brasileira no século 18. A CMARF iniciou suas atividades em 1986 e teve seu reconhecimento oficial da UESC em 2005 e cadastro no CGEN # CAB482C em 2018. O objetivo é descrever o acervo, mostrar as possibilidades de pesquisa e relatar as atividades de extensão realizadas. O acervo é composto por mais de 3400 espécimes. A ordem melhor representada é Chiroptera (1450 espécimes), seguida por Rodentia (1274) e Didelphiomorpha (577). Também se encontram individuos de Carnivora (33), Pilosa (26), Cingulata (18), Primates (15), Artiodactyla (12), Lagomorpha (3) e Perissodactyla (2). Um acervo pequeno de cetáceos (24) também se encontra tombado na CMARF, principalmente botos. Mais de 80% do acervo provem de localidades próximas à UESC, na Mata Atlântica e região cacaueira. Um processo de interiorização do acervo começou em 2018, em Floresta Estacional Semidecidual, com uns 540 indivíduos coletados. Menos de 10 espécimes provêm do Cerrado e apenas uns 25 mamíferos foram coletados na Caatinga. Visando contribuir na formação de profissionais e pesquisadores em mastozoologia, 18 cursos em taxidermia e quatro de métodos de campo já foram ministrados. A CMARF conta com infraestrutura adequada para aumentar o acervo, mantendo sua qualidade de conservação. Desde 2012, a CMARF não apenas aumentou em número, como diversificou as amostras que abriga, com a inclusão de material oriundo de programas de monitoramento e resgate de fauna, bem como através do depósito de material testemunho de consultorias ambientais. O acervo inclui tanto material taxidermizado, crânios e peles, quanto em meio líquido. Também, foram incorporados moldes de pegadas e peles de animais atropelados. Mais recentemente o acervo passou a incluir também amostras de tecido, atualmente com mais de 1200 indivíduos representados. Desde 2018, com o lançamento da campanha "As Coleções da UESC são públicas", mais de 3500 jovens da região foram atendidos em visitas à CMARF, participando em férias de ciências em colégios e exposições em áreas públicas de Ilhéus e Itabuna. Concluímos que a CMARF é uma fonte de conhecimento da mastofauna baiana, tanto para a comunidade científica quanto para a população da região.

Palavras-chave

Taxonomia, sistemática, inventário de mamíferos, biogeografia

Financiamento

Fundação O Boticário para Proteção da Natureza (#0818-20091), CNPq (#478830/2007-6, PPBIO Mata Atlântica #457524/20120), UESC (#00220.1100.953, #00220.1100.1048, #00220.1100.1264, #00220.1100.1645, #00220.1100.1905)

Área

Sistemática e Taxonomia

Autores

Elson Oliveira Rios, Martín R. Alvarez