X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

COMPOSIÇAO DA ASSEMBLEIA DE MORCEGOS (MAMMALIA: CHIROPTERA) EM FRAGMENTOS FLORESTAIS URBANOS, NO SUL DE SANTA CATARINA, BRASIL

Resumo

Apesar de representarem ambientes predominantemente antrópicos, as cidades abrigam diversos grupos animais, dentre os quais estão os morcegos. No Brasil, estudos sobre composição de assembleias de morcegos já foram realizados em diferentes ambientes, entretanto, com menor frequência em áreas urbanas. Isso dificulta o entendimento sobre diversidade, assim como, quais suas exigências ecológicas das espécies neste novo habitat. O presente estudo teve como objetivo avaliar a composição da assembleia de morcegos em fragmentos florestais urbanos, no sul de Santa Catarina. Essa região está inserida no bioma Mata Atlântica, na formação de Floresta Ombrófila Densa. As amostragens foram realizadas em três áreas dentro do perímetro urbano de Criciúma, apresentando distância máxima de três quilômetros entre elas. A matriz do entorno é formada por zonas industriais e residenciais, por remanescentes florestais nativos, áreas para agricultura e silvicultura. Na Área 1 o trabalho de campo foi realizado entre abril de 2006 e novembro de 2009; na Área 2 – de novembro de 2016 e julho de 2018 e; Área 3 – entre abril de 2018 e março de 2019. Para captura dos morcegos foram utilizadas 10 redes (duas de 12 x 2,5m; quatro de 9 x 2,5m e; quatro de 6 x 2,5m), posicionadas no nível do solo, abertas por seis horas após o início do crepúsculo. A composição da assembleia foi descrita com base em atributos de riqueza, riqueza estimada (Chao1 e Bootstrap) e frequência, sendo as espécies consideradas como rara (0,1-25%), acessória (25,1-50%) e constante (50,1-100%). Ao total, nas três áreas foram realizadas 46 noites de amostragem, sendo obtidas 603 capturas, de duas famílias (Phyllostomidae, Vespertilionidae) e 16 espécies. Artibeus lituratus (36,1%), Sturnira lilium (32,8%) e Artibeus fimbriatus (14,1%) foram as espécies mais abundantes. As curvas de acumulação não demonstram tendência a assíntota, sendo que, Chao1 indica a ocorrência de 19 espécies e Bootstrap 18. Com base nestes valores o esforço dispendido foi suficiente para amostrar 84,2% e 88,7% do total de espécies esperadas, respectivamente. Em termos de frequência Artibeus lituratus (97,8%) e Sturnira lilium (87,0%) foram classificadas como constantes e Artibeus fimbriatus (37,0%) e Eptesicus diminutos (26,1%) como acessórias. Todas as outras 12 espécies foram consideradas como raras. Mesmo sofrendo impacto da urbanização, os três remanescentes comportam ainda elevada riqueza, inclusive essa sendo semelhante àquela registrada em áreas naturais no sul de Santa Catarina. Apesar disso, os dados sugerem que o esforço amostral ainda não foi suficiente para amostrar a assembleia de morcegos, portanto, a continuidade da amostragem provavelmente revelará a ocorrência de novos taxa. Artibeus lituratus, S. lilium e A. fimbriatus figuram entre as mais abundantes em diversas assembleias de morcegos na Região Sul do Brasil, o que está relacionado a grande plasticidade ecológica destas espécies, o que lhes permite permanecer em ambientes alterados, como por exemplo, áreas urbanas. O entendimento da dinâmica das assembleias de morcegos em áreas urbanas é fundamental para a adoção de medidas de conservação e manejo destas espécies. 
 

Palavras-chave

Cidades, inventário, Mata Atlântica, Santa Catarina, quirópteros. 

Financiamento

Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina - Edital 06/2016 - Termo de outorga 2017TR1706. 

Área

Inventário de Espécies

Autores

Karolaine Porto Supi, Beatriz Fernandes Lima Luciano, Luana Silva Biz , Isadora Hobold Dal Magro, Fernando Carvalho