X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

INFLUENCIA DO NIVEL DE CONSERVAÇAO AMBIENTAL NA TAXA DE INFESTAÇAO DE ECTOPARASITOS (DIPTERA; STREBLIDAE) EM MORCEGOS (CHIROPTERA: PHYLLOSTOMIDAE) NA REGIAO SUL DO BRASIL

Resumo

Atualmente, os ambientes naturais vêm sendo alterados e degradados a taxas alarmantes, com consequências sérias para a manutenção e conservação da biodiversidade. Não diferente de outras regiões do Brasil, a região sul de Santa Catarina vem sofrendo com processos antrópicos em seus ecossistemas naturais. Dentro deste contexto, o presente trabalho teve como objetivo analisar a influência do nível de conservação dos ambientes, na taxa de infestação de ectoparasitos em morcegos, na região sul de Santa Catarina. Para isso amostramos dois ambientes (matriz natural e fragmentada), sendo o primeiro representado pelo Parque Nacional Aparados da Serra e, o segundo, um fragmento peri-urbano localizado no município de Criciúma. Ambos os ambientes estão inseridos no bioma Mata Atlântica, com formação de Floresta Ombrófila Densa Submontana. A captura dos morcegos foi realizada entre os meses de setembro de 2016 a julho de 2017. Foram amostradas mensalmente quatro noites, com 10 redes (duas de 12 x 2,5m; quatro de 9 x 2,5m e; quatro de 6 x 2,5m) permanecendo abertas por cerca de seis horas, após o início do crepúsculo. O esforço amostral total para a primeira área foi de 30.240 m2 .h, já na segunda área foi de 14.040 m2 .h. Cada morcego capturado foi inspecionado visualmente e quando encontrados, os ectoparasitos foram coletados e acondicionados em tubos eppendorfs contendo álcool 70%. Em laboratório, os ectoparasitos foram identificados sob microscópico estereoscópio, com o auxílio de chaves de identificação. Foram utilizadas como modelo as espécies Artibeus lituratusSturnira lilium visto que elas foram as mais abundantes em ambos os ambientes amostrados. Foram calculados os índices de prevalência (P) e intensidade média de infestação (IM). Para determinar se houve diferença entre os índices, na comparação entre ambientes, foi utilizado o teste de quiquadrado (χ²), para proporções iguais esperadas, com nível de significância 0,05. Foram capturados 154 indivíduos de S. lilium (115 em ambiente natural; 39 em ambiente antrópico), e 146 indivíduos de A. lituratus (99 em ambiente natural; 47 em ambiente antrópico). Para S. lilium, a matriz natural obteve P=21,70 (14,58 - 30,40) e IM=1,56 (1,24 – 2,00), no entanto, a prevalência para a matriz fragmentada foi de 56,40 (39,62 – 72,19) e IM de 2,05 (1,59 – 2,64). Em relação a A. lituratus, foi obtido P=20,20 (12,79 – 29,47) e IM=1,55 (1,20 – 2,05) para o ambiente natural, e P=46,80 (32,11 – 61,93) e IM=2,27 (1,77 – 3,41) para o ambiente fragmentado. Para as duas espécies houve diferença na prevalência entre os ambientes (S. lilium: χ ²=15,417; p<0,001 e A. lituratus: χ ²=10.561; p=0,001). Os dados sugerem que ambientes com maior nível de degradação apresentam maior taxa de infestação, o que é corroborado por outros estudos. Uma das consequências neste processo de fragmentação e degradação é a perda do habitat natural, que resulta na diminuição da oferta de abrigos. Essa característica pode gerar aumento na densidade populacional dos morcegos, e maior tempo de permanência nos abrigos restantes. Estes fatores, juntamente com o stress, podem resultar no aumento das prevalências de Diptera sobre seus hospedeiros. 

Palavras-chave

Artibeus lituratus, fragmentação, hospedeiro, parasitos, Sturnira lilium

Financiamento

Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina – Edital 06/2016 - Termo de outorga 2017TR1706.

Área

Ecologia

Autores

Luana Silva Biz, Beatriz Fernandes Lima Luciano, Karolaine Porto Supi, Isadora Hobold Dal Magro, Gustavo Graciolli, Fernando Carvalho