X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

MAMIFEROS DE MEDIO E GRANDE PORTE DA MAIOR AREA INTEGRALMENTE PROTEGIDA DO RIO GRANDE DO NORTE, O PARQUE NACIONAL DA FURNA FEIA

Resumo

A criação e manutenção de áreas protegidas é considerada uma estratégia essencial para a conservação da biodiversidade global. Acessar que espécies ocorrem nestas áreas seus limites é uma das informações mais básicas e importantes para avaliar sua efetividade.  Contudo, esse tipo de informação é ausente ou incompleto para muitas áreas protegidas. A Caatinga brasileira, a maior formação semiárida da América Latina, ainda é carente de proteção e de informações sobre a sua mastofauna. Neste estudo nós caracterizamos pela primeira vez a comunidade de mamíferos de médio e grande porte do Parque Nacional da Furna Feia, localizado na Caatinga do Rio Grande do Norte, nordeste do Brasil. Com esse trabalho esperamos contribuir com o conhecimento desse grupo chave para a conservação e fornecer informações que auxiliem no manejo de um parque nacional e no monitoramento da sua efetividade. O Parque Nacional da Furna Feia foi criado em 2012 cobrindo uma área 8.517 ha de formações florestais e arbustivas em uma região de baixa altitude. Para levantar a mastofauna da área nós realizamos duas campanhas de armadilhamento fotográfico no parque em 2018, nas quais amostramos 44 pontos no período chuvoso (março a junho), somando um esforço de 2307 câmeras-dias, e 40 pontos no período seco (setembro a dezembro), somando um esforço de 1658 câmeras-dias. Como resultados, registramos 11 espécies de mamíferos de médio e grande porte (> 1kg), distribuídos em seis ordens e nove famílias. Entre as espécies registradas estão dois felinos ameaçados de extinção (Leopardus tigrinus e Herpailurus yagouaroundi) e um pecarídeo (Pecari tajacu) relativamente raro na região, com o nosso registro representando a sua segunda ocorrência confirmada no estado. A riqueza encontrada é maior que a registrada em áreas degradadas da Caatinga, mas menor que a riqueza de outros parques nacionais dessa ecorregião. Entre os roedores detectados na área de forma complementar está Kerodon rupestris, espécie também ameaçada de extinção. Entre as espécies esperadas para a área mas não detectada por nós estão Conepatus amazonicus, Dasypus novemcinctus, e Galictis cuja. A possível ausência ou baixa abundância destas espécies na área deve ser melhor investigada, especialmente no caso de C. amazonicus, por ser comum em grande parte da Caatinga. Não encontramos nenhuma diferença na riqueza de espécies entre os períodos seco e chuvoso, com todas as espécies sendo registradas em ambas as amostragens, apesar da diferença no esforço amostral. Isso sugeri que o parque abriga condições ambientais para manter a mastofauna local mesmo considerando a marcada sazonalidade da região e a consequente flutuação na disponibilidade de recursos. Esse trabalho exibe a primeira lista de espécies do único parque nacional do estado do Rio Grande do Norte, podendo assim ser utilizado para fomentar ações de manejo e conservação dessa importante área protegida, bem como futuras pesquisas e monitoramentos de um grupo indicador de qualidade ambiental e provedor de serviços ecológicos essenciais.

Palavras-chave

Mamíferos; Floresta tropical sazonalmente seca; unidades de conservação; riqueza de espécies.

Financiamento

The Mohamed bin Zayed Species Conservation Fund (project #172516360); PH Marinho é bolsista de doutorado da CAPES; ML FALCÃO foi bolsista de iniciação científica do CNPq; EM VENTICINQUE é bolsista de produtividade do CNPq.

Área

Inventário de Espécies

Autores

Paulo Henrique Marinho, Maria Luisa Falcão, Eduardo Martins Venticinque