X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ANALISE PRELIMINAR DE TECNICAS ADAPTADAS PARA DIAFANIZAÇAO EM PEQUENOS MAMIFEROS

Resumo

Diafanização e coloração de ossos e cartilagens de vertebrados têm sido uma importante ferramenta em estudos condrogênicos, osteogênicos, morfológicos e filogenéticos de diversas espécies. O diferencial de tal técnica está na visualização das estruturas organizadas e sua diferenciação precisa entre material cartilaginoso (corado em azul) e material calcificado (corado em vermelho). Diante desta aplicabilidade, este trabalho teve como objetivo adaptar a técnica de diafanização descrita por Dingerkus and Uhler (1977), ainda hoje muito utilizada em estudos de desenvolvimento ósseo da herpetofauna, para o uso em pequenos mamíferos e embriões. A metodologia aplicada consiste na prévia fixação dos espécimes em formalina 10%, fixador amplamente utilizado em acervos de coleções científicas. Após a remoção da pele, globos oculares e vísceras, os espécimes foram colocados diretamente em uma solução de 10mg de Azul de Alcian 8GN, 80ml de etanol 95% e 20ml de ácido acético glacial por 24 a 48 horas ou até as cartilagens apresentarem-se tingidas de azul. Em seguida, os espécimes foram lavados em álcool em concentrações decrescentes e  água destilada, durante três horas em cada solução. Posteriormente os espécimes foram imersos em uma solução enzimática contendo 30ml de borato de sódio aquoso, 70ml de água destilada e 0,5g de pancreatina. As propriedades dessa solução duram dois ou três dias, mas em espécimes maiores que 80 mm podem levar mais tempo. Após esse tempo, a solução deve ser preparada novamente. Para esta etapa é necessária observação cuidadosa, pois a enzima por tempo maior que o necessário pode inutilizar o material. Uma vez retirados da pancreatina, os espécimes foram banhados brevemente em água destilada e, então, transferidos para uma solução aquosa de KOH 2% e Vermelho de Alizarina. Os espécimes devem ser retirados quando os ossos aparecerem claramente tingidos de vermelho. Essa etapa dura cerca de 24 horas e deve-se ter cuidado, uma vez que o material pode ser destruído pela ação corrosiva do KOH 2% se permanecerem por longo tempo. Finalmente, o material diafanizado foi colocado em uma série de banhos de KOH 2% + glicerina nas seguintes concentrações: ¾ KOH + ¼ glicerina, ½ KOH + ½ glicerina, ¼ KOH + ¾ glicerina e glicerina pura. O tempo de permanência em cada uma dessas soluções é cerca de 12 horas. Se necessário, adiciona-se duas ou três gotas de H2O2 (peróxido de hidrogênio) nas duas primeiras soluções de KOH 2% + glicerina para completar o clareamento da musculatura. Após a retirada do banho de glicerina final, os espécimes foram armazenados em frascos com glicerina pura com cristais de timol, para inibição do crescimento de fungos e bactérias. O resultado final da técnica foi a intensa coloração de cartilagens e ossos, e o clareamento total da musculatura, possibilitando a visualização das estruturas de sustentação dos espécimes estudados. Esta técnica pode ser amplamente utilizada para pequenos mamíferos depositados em coleções científicas em via úmida, por ser versátil, de baixo custo e tempo reduzido de processamento, trazendo também um diferencial de armazenamento e estudos posteriores para a coleção.

 

 

Palavras-chave

Palavras-chaves: técnicas anatômicas, diafanização, coloração, cartilagem, osso.

Financiamento

Área

Anatomia e Morfologia

Autores

Priscilla Monteiro Oliveira, Julia Dantas Ferreira Moraes, Marco Antônio Camargo Borges, Anna Ludmilla Costa-Pinto