X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

COMPOSIÇAO DA FAUNA DE ECTOPARASITOS (DIPTERA: STREBLIDAE) DE MORCEGOS (MAMMALIA: CHIROPTERA) NO MAIOR CONTINUO DE MATA ATLANTICA PRESERVADO NO BRASIL

Resumo

A Família Streblidae corresponde as moscas aladas, as quais possuem registro de associação com 14 famílias de morcegos, com especificidade das relações entre determinadas espécies e gêneros de hospedeiros. A composição da comunidade de ectoparasitos e o entendimento dos padrões de infestação são fatores importantes para a compreensão das relações ectoparasitárias com os morcegos. O objetivo do estudo foi analisar a composição da fauna de Streblidae associada a morcegos, no maior contínuo de Mata Atlântica do Brasil.  A amostragem ocorreu na Reserva Natural Salto Morato (25º09’98"S e 48º17'90"O), litoral norte do Paraná. A captura dos morcegos foi realizada em 18 noites consecutivas de amostragem, utilizando em cada noite 10 redes-de-neblina, abertas por seis horas. Os morcegos foram inspecionados e os ectoparasitos foram coletados, acondicionados em tubos de eppendorfs com álcool 70%, etiquetados e encaminhados ao laboratório. A composição da fauna de ectoparasitos foi descrita com base em atributos de riqueza e abundância. Foram capturados 284 morcegos de 18 espécies e duas famílias (Phyllostomidae: 14 spp.; Vespertilionidae: 4 spp.). Oito espécies apresentaram relações ectoparasitárias, sendo as mais abundantes Carollia perspicillata, Sturnira lilium, Anoura caudifer e Artibeus lituratus com 50, 19, 19 e 14 indivíduos, respectivamente. Com relação aos ectoparasitos foram coletados 239 indivíduos de 16 espécies. Trichobius joblingi (N = 112), Paratrichobius longicrus (N = 20), Aspidoptera falcata (N = 19), Strebla guajiro (N= 18), Trichobius tipton e Megistopoda proxima (N = 17 indivíduos, cada), foram aquelas mais abundantes. Carollia perspicillata apresentou interação com quatro espécies de ectoparasitos, sendo aquela com Trichobius joblingi a mais frequente (82,2%). Anoura caudifer e Artibeus lituratus apresentaram interações com três espécies cada. Para a primeira espécie a interação mais frequente foi com Trichobius tiptoni (54,8%). Já para Artibeus lituratus 90,9% das interações foram com Paratrichobius longicrus. Sturnira lilium esteve parasitada por Aspidoptera falcata (61,3%) e Megistopoda próxima (38,7%). Dentre as 16 espécies de ectoparasitos, somente Paratrichobius dunni não possuía registro no Paraná. Essa espécie possuía sua distribuição restrita a Roraima e Rondônia, portanto, sendo essa uma importante ampliação de distribuição para a espécie. A composição e os padrões de infestação entre a fauna de ectoparasitos e seus hospedeiros foi semelhante a outros estudos realizados na Mata Atlântica, em especial aquelas estabelecidas entre Paratrichobius longicrus e Artibeus lituratus, e entre Megistopoda próxima, Aspidoptera falcata e Sturnira lilium. A dominância de Trichobius joblingi contraria o indicado em outros estudos, os quais sugerem que esta espécie é pouco frequente na porção sul das Mata Atlântica. Este fato pode estar relacionado a duas condições: (1) a relação primária entre Trichobius joblingi e Carollia perspicillata, sendo que essa espécie foi a mais abundante, o que justificaria a maior abundância deste ectoparasito; (2) o desconhecimento da fauna de ectoparasitos na porção sul. Cabe salientar que, esse estudo traz as primeiras informações sobre ectoparasitas e morcegos na Reserva Salto Morato, a qual está inserida no maior contínuo de Mata Atlântica preservada. A continuidade da amostragem auxiliará no entendimento das interações entre ectoparasitos e morcegos em ambientes preservados na Mata Atlântica.

Palavras-chave

Phyllostomidae, Padrões de infestação, Paratrichobius dunni, Trichobius joblingi, Vespertilionidae.

Financiamento

Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza com os termos de parceria nº 0105/2012/PR (entre os anos de 2013 e 2014) e RNSM 089/2018 (entre os anos de 2019 a 2023).

Área

Parasitologia/Epidemiologia

Autores

Mainara Figueiredo Cascaes, Luana da Silva Biz, Karoliane Porto Supi, Beatriz Fernandes Lima Luciano, Gustavo Graciolli, Jairo José Zocche, Fernando Carvalho