X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

ANALISES DE CONECTIVIDADE E SIMULAÇOES DETERMINAM AREAS PRIORITARIAS PARA A CONSERVAÇAO DE LEOPARDUS GUTTULUS E EVIDENCIAM A URGENCIA NA ADOÇAO DE MEDIDAS DE MANEJO PARA A ESPECIE

Resumo

O gato-do-mato-pequeno-do-sul, Leopardus guttulus, é um pequeno felino neotropical, considerado vulnerável à extinção segundo a International Union for Conservation of Nature. Sua ocorrência parece estar intimamente ligada à Mata Atlântica, embora alguns indivíduos capturados na região central do país, no bioma Cerrado, tenham sido identificados geneticamente como L. guttulus. Atualmente, a Floresta Atlântica cobre menos de 15% de sua extensão original, a maior parte em áreas pequenas e fragmentadas. Essa severa fragmentação do habitat impõe grandes ameaças para a sobrevivência deste felino em longo prazo. Portanto, o objetivo desse estudo foi determinar corredores e áreas prioritárias para a conservação desta espécie em toda sua área de ocorrência, e compreender como a fragmentação do habitat afetou sua distribuição e conectividade, além de simular sua ocorrência e variabilidade genética para o futuro. Para isso, foi utilizada uma superfície de resistência otimizada com dados genéticos para calcular a conectividade populacional de L. guttulus com base em densidades kernel e caminhos de menor custo fatorial, com o programa UNICOR. Os corredores e áreas prioritárias para a manutenção da conectividade populacional foram mapeados e ranqueados a fim de priorizar espacialmente ações de conservação. Com base em um mapa de biomas da América do Sul, foi criada uma superfície de resistência para o passado (i.e. sem interferência humana na paisagem) utilizando os mesmos valores de resistência otimizados com os dados genéticos. As mesmas análises de conectividade populacional foram utilizadas para projetar a conectividade desta espécie no passado e comparar com a conectividade encontrada no presente. Por fim, com base na diversidade genética populacional atual, a diversidade genética e ocorrência da espécie para o futuro foram simuladas ao longo de 200 gerações com o programa CDMetaPOP. A modelagem de conectividade para o presente evidenciou que as populações de L. guttulus encontram-se fortemente fragmentadas e embora as principais áreas ainda estejam conectadas, as conexões entre os fragmentos são poucas e fracas. O fragmento ranqueado como mais importante compreende as áreas litorâneas das regiões sul e sudeste do Brasil. O segundo e terceiro fragmentos mais importantes compreendem áreas do Paraguai e da Bolívia e a região de Missiones, na Argentina, respectivamente. As análises de conectividade para o passado demonstram que as populações de L. guttulus eram altamente conectadas e compunham um único e grande fragmento. A simulação das populações para o futuro demonstra que o tamanho populacional e a diversidade genética tendem a diminuir significativamente e a ocorrência da espécie tende a ficar ainda mais restrita à região litorânea. Com a fragmentação e perda de habitat, essas populações tiveram suas áreas reduzidas e tornaram-se altamente fragmentadas. A tendência é que essas populações se tornem cada vez mais isoladas e seu tamanho populacional seja reduzido. Este trabalho demonstra a urgência que existe na adoção de medidas de manejo para a conservação da espécie e determina as áreas prioritárias para a manutenção desta espécie em longo prazo.

Palavras-chave

genética da paisagem; gato-do-mato-pequeno-do-sul; fragmentação; conectividade; Mata Atlântica, UNICOR, CDMetaPOP

Financiamento

O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001. Ainda, Sartor, CC foi bolsista do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (CAPES), número de processo: 88881.187839/2018-01. 

Área

Biologia da Conservação

Autores

Caroline Charão Sartor, Samuel Alan Cushman, Ho Yi Wan, Eduardo Eizirik, Tatiane Campos Trigo, Thales Renato Ochotorena Freitas