X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

IMPLICAÇOES DO USO DE DIFERENTES METODOLOGIAS NA PRODUÇAO DE MAPAS DE CONECTIVIDADE E SUAS APLICAÇOES PARA A CONSERVAÇAO DE FELINOS NEOTROPICAIS

Resumo

A manutenção de áreas com alta densidade populacional e adequabilidade ambiental, e de corredores que mantêm a conectividade entre essas áreas, é essencial para a sobrevivência de qualquer espécie em longo prazo. Por esse motivo, técnicas que determinam corredores e áreas prioritárias se tornaram ferramentas indispensáveis em estudos de conservação. Estudos de modelagem de conectividade utilizam mapas de resistência da paisagem para identificar corredores e áreas prioritárias. No entanto, existem diferentes métodos para estimar a resistência da paisagem e sabe-se que eles produzem resultados distintos. Assim, o objetivo do presente estudo foi gerar mapas de conectividade para duas espécies de felinos neotropicais (Leopardus guttulus e L. geoffroyi), com base em superfícies de resistência obtidas a partir de dados genéticos e mapas de adequabilidade ambiental e comparar os resultados gerados pelos dois métodos para ambas espécies. Foram utilizados dados genéticos de 136 indivíduos de L. guttulus e 150 indivíduos de L. geoffroyi e otimização do modelo de resistência da paisagem para criar superfícies de resistência com base no fluxo gênico. Ainda, mapas de adequabilidade ambiental previamente gerados para estas espécies foram convertidos em superfícies de resistência. Por fim, foi calculada a conectividade populacional com base em densidades kernel e caminhos de menor custo fatorial para as superfícies de resistência geradas pelos dois métodos para cada espécie. Quando comparados os modelos de resistência, para ambas espécies o modelo de adequabilidade ambiental teve desempenho consideravelmente inferior ao modelo de resistência genética otimizado (modelo de resistência genética: ΔAIC=0; modelo de adequabilidade ambiental: L. guttulus: ΔAIC=75.71; L. geoffroyi: ΔAIC=204.89). Isso era esperado, pois mapas de adequabilidade ambiental representam áreas de ocorrência potencial da espécie, enquanto dados genéticos indicam fluxo gênico, e por isso representam melhor o movimento na paisagem (i.e., a conectividade). Para ambas as espécies, apenas a cobertura vegetal e rodovias parecem influenciar o movimento destes felinos, enquanto variáveis climáticas e elevação restringem sua ocorrência. Ainda, os mapas gerados pelas análises de conectividade para os dois métodos são diferentes, não somente no que diz respeito à área total conectada prevista, mas também à importância dessas áreas, especialmente para L. guttulus. Esperava-se que o mapa de conectividade gerado pelo modelo de adequabilidade ambiental restringisse mais o movimento que o mapa gerado pelo modelo baseado em dados genéticos, pois indivíduos em dispersão tendem a ser mais tolerantes a condições menos adequadas do que indivíduos residentes. No entanto, isso não foi observado. Neste estudo, nós evidenciamos os aspectos ambientais que influenciam o fluxo gênico em duas espécies de felinos neotropicais. Ainda, nós demonstramos que superfícies de resistência criadas com base em dados genéticos são mais adequadas para análises de conectividade. No entanto, dados genéticos nem sempre estão disponíveis e a conversão de mapas de adequabilidade ambiental em superfícies de resistência  se torna uma das melhores opções. Neste caso, é necessário ter cautela ao fazer suposições e levar em conta que adequabilidade ambiental não é sinônimo de permeabilidade para dispersão.

Palavras-chave

genética da paisagem; Leopardus guttulus; Leopardus geoffroyi; adequabilidade ambiental; superfície de resistência genética

Financiamento

O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001. Ainda, Sartor, CC foi bolsista do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (CAPES), número de processo: 88881.187839/2018-01.

Área

Biologia da Conservação

Autores

Caroline Charão Sartor, Samuel Alan Cushman, Ho Yi Wan, Javier A Pereira, Eduardo Eizirik, Tatiane Campos Trigo, Thales Renato Ochotorena Freitas