X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

DIVERSIDADE CRIPTICA NAS ESPECIES DO GENERO MOLOSSUS (CHIROPTERA, MOLOSSIDAE)

Resumo

O gênero Molossus pertence à família Molossidae e encontra-se distribuído desde o sudeste dos Estados Unidos até o sul da Argentina passando pelas ilhas caribenhas. As espécies desse gênero são morfologicamente similares, apresentam dimorfismo sexual causando divergências na identificação e no número de espécies. Essas características associadas a falta de estudos tornam suas relações filogenéticas desconhecidas. Neste contexto objetivamos estimar as divergências intra e interespecífica bem como conhecer as relações filogenéticas das espécies descritas para o gênero Molossus. O banco de dados foi formado por 85 sequências com 1.041 pares de bases dos genes COI e Citocromo b concatenados, representando as espécies: M. molossus, M. rufus, M. sinolae, M. coibensis, M. fentoni, M. currentium, M. bondae, M. pretiosus e M. alvarezi de diferentes localidades. Cynomops abrasus, C. planirostris, C. paranus e Lasiurus ega foram usados como outgroup. Na análise estão incluídas tanto sequências deste estudo (Maranhão e São Paulo) quanto do Genbank. A divergência intraespecífica gerada no programa MegaX foram baixas para a maioria das espécies alcançando 0,2% em M. fentoni, M. alvarezi e M. bondae; 2,1% em M. molossus e 8,0% em M. sinolae. A divergência intraespecífica de M. bondae (0,2%) foi mais alta que a interespecífica com M. pretiosus (0,1%). A divergência interespecífica entre M. rufus e M. bondae e M. presiosus alcançou 1,1% que é menor que a intraespecífica de M. rufus (1,8%).  M. rufus e M. molossus alcançou 3,8% e entre M. coibensis e M. rufus foi de 3,2%.  A espécie M. currentium apresentou 2,1% com M. rufus, 2,3% com M. molossus e 2,5% com M. coibensis. As espécies M. alvarezi e M. fentoni foram as que apresentaram as maiores divergências quando comparada as demais espécies. A árvore de máxima verossimilhança gerada usando o modelo Tamura-Nei agrupou todas as espécies em um clado com 100% de bootstrap, M. alvarezi mostrou-se como o mais basal. As demais espécies agruparam em um clado com 82% de bootstrap e formam politomias. Observa-se que os limites entre as espécies não estão bem definidos sendo observados na formação de politomia e na divergência, onde verificou-se divergências intraespecíficas maior que as interespecíficas.

Palavras-chave

Gene CO1. Citocromo b. Morcegos

Financiamento

FAPEMA, UEMA

Área

Genética

Autores

Ana Priscila Medeiros Olímpio, Elmary Costa Fraga, MARIA CLAUDENE BARROS