X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

PADRAO DE ATIVIDADE DE JAVALIS EM FRAGMENTOS DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL COM MATRIZ DE CULTURAS AGRICOLAS NO ESTADO DO PARANA.

Resumo

O javali (Sus scrofa, Linnaeus, 1758), é considerado um animal exótico no Brasil, isto é, não pertence à fauna nativa brasileira. Encontrado em grande parte do território nacional, causa impactos ecológico, social e econômico negativo devido, principalmente, a ataques a lavouras. Considerando que o ambiente é determinante no comportamento da espécie invasora, o objetivo deste estudo foi avaliar o padrão de atividade de javalis em contato com culturas de chuva (soja) e seca (trigo) no Norte e Noroeste do Paraná, Brasil. O estudo foi conduzido em fragmentos de Floresta Estacional Semidecidual nos municípios de Marilândia do Sul e Astorga (30 ha e 48 ha respectivamente) no período de Janeiro de 2018 a Fevereiro de 2019. Foram instaladas três armadilhas fotográficas (Bushenell Trophy Cam 119537C®) com distanciamento mínimo de 500 m. As armadilhas fotográficas foram configuradas para amostrar as estações seca (21 de Março a 21 de Setembro) e chuvosa (22 de Setembro a 20 de Março) divididas em duas campanhas, obtendo um esforço amostral de 265 armadilhas/dia. A fim de manter a independência dos registros, foram utilizados apenas registros com intervalos maiores que 30 minutos entre os eventos de capturas. Cada amostra foi avaliada quanto à presença/ausência de javalis para posterior avaliação de sua atividade num período de 24 horas dividido em intervalos de uma hora. O padrão de atividade foi avaliado por meio de Teste de Uniformidade de Watson (U²) e classificado de acordo com Gómez e colaboradores (2005) quanto à percentagem de atividade nos diferentes períodos do dia. As análises foram realizadas no programa R 3.5.1 (R Development Core Team, 2018). O padrão de atividade dos javalis ao longo do dia apresentou diferença significativa (U² = 0.95; p < 0.01), com atividade predominantemente noturna (64.61%) e concentração de atividade no período das 19 h às 3 h. Em relação à matriz de agricultura, na estação chuvosa (soja) houve maior atividade de javalis no início da noite (U² = 1.6774; p < 0.01), intervalo das 19 h as 20 h, porém se mantiveram em atividade a noite toda (56% da atividade no período noturno). Nas amostragens da estação seca (trigo), a atividade no período noturno ocorreu em sua maior parte entre a primeira e terceira hora do dia (U² = 1.5734; p < 0.01) de um total de 61 % da atividade no período noturno. Quanto à atividade no período Catemeral não houve atividade ao amanhecer na estação seca, sendo os 30% de atividade nesse período apenas durante o crepúsculo. Os dados sugerem que o padrão de atividade de javalis é diferente nas estações seca e chuvosa, porém uma amostragem envolvendo outras culturas deve ser feita para melhor avaliar sua movimentação na paisagem, importante para a realização de manejo adequado no controle e erradicação da espécie em fragmentos florestais com matriz de agricultura.

Palavras-chave

suíno asselvajado, impacto ecológico, atividade noturna.

Financiamento

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)

Área

Ecologia

Autores

Gisele da Silva Porto, Fernanda Cristina Marques, Mário Luís Orsi, Carolina Blefari Batista, Ana Paula Frederico Bracarense, Amauri Alcindo Alfieri, Alice Fernandes Alfieri