X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

PADRAO DE ATIVIDADE DOS FELIDEOS DA MATA DE SANTA GENEBRA, CAMPINAS-SP

Resumo

A Mata de Santa Genebra, é uma reserva florestal federal (ARIE), em Campinas-SP.  É o maior fragmento florestal no município, e abriga uma fauna rica e diversificada. Dentre os felídeos registrados na mata estão a Onça parda (Puma concolor), a Jaguatirica (Leopardus pardalis) e o Gato-do-mato-pequeno (Leopardus guttulus). Desde 2014, a Fundação José Pedro de Oliveira, que cuida da reserva, mantém armadilhas fotográficas e uma rotina de coleta dos cartões de memória e troca das pilhas das câmeras a cada 15 dias. Nove armadilhas fotográficas foram distribuídas em diferentes pontos da mata com a finalidade de monitorar e registrar as atividades das diversas espécies de vertebrados ali viventes. Através dos registros destas câmeras, este projeto busca determinar os padrões de atividade desses predadores e de suas presas (SISBIO 64059), além de avaliar sua frequência de ocorrência na mata ao longo dos anos. Os vídeos coletados (n=495 câmeras-dias) foram analisados, tabulados e organizados por faixas de horário em intervalos de 2 horas. Há pelo menos um ou mais indivíduos de onça parda e também da jaguatirica frequentando a Mata. Dos felídeos, a onça parda apresentou o maior número total de registros (n=206), mais da metade em 2017, e nenhum em 2015 ou 2016. Apenas um dos registros da jaguatirica é de 2016, os outros foram em 2017 e 2018. O gato-do-mato foi registrado apenas em 2018 e 2019. Algumas das principais presas em potencial registradas no local são as duas espécies de gambás, D. albiventris e D. aurita, mas nos 119 registros nem sempre é possível separá-las, o tatu galinha (n= 21 videos; Dasypus novemcinctus), o tapiti (n= 38; Sylvilagus brasiliensis), a saracura-do-mato (n= 6; Aramides saracura) e a saracura-três-potes (n= 35; Aramides cajanea). Dentre estas 5 espécies o gambá, o tatu galinha, e o tapiti apresentaram um padrão de atividade noturno, sendo registrados majoritariamente entre 18h e 6h, enquanto as duas espécies de saracura foram registradas apenas durante o dia, entre 6h e 20h. Aproximadamente 77% (159) dos registros da onça parda foram feitos entre 18h e 6h; a faixa de horário com menos registros foi entre 12 e 18h, indicando o hábito predominante noturno da espécie. A jaguatirica e o gato-do-mato foram pouco registrados, com apenas 14 e 6 registros respectivamente.  A maioria dos registros (13 de 14 para a jaguatirica, e 4 de 6 para o gato-do-mato) compreende a faixa de horário entre as 18h e as 6h, sugerindo um padrão de atividade semelhante ao da onça.  Todos os registros de ambos os felídeos ocorrem tanto no mesmo local, quanto na mesma faixa de horário, e com intervalos de poucos dias dos registros da onça.  Assim, os resultados sugerem que nos limites da mata, o padrão de atividade da onça não afeta criticamente o padrão das outras duas espécies de felídeos na Mata.

Palavras-chave

Puma concolor, Leopardus pardalis, Leopardus guttulus

Financiamento

Área

Ecologia

Autores

Danilo Santos, Thomaz Henrique Barrella, Eleonore Zulnara Freire Setz