X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

OCUPAÇAO DIFERENCIAL DE ABRIGOS ANTROPICOS POR TADARIDA BRASILIENSIS (CHIROPTERA: MOLOSSIDAE) DURANTE A ESTAÇAO REPRODUTIVA NO EXTREMO SUL DO BRASIL

Resumo

Tadarida brasiliensis é uma espécie amplamente distribuída no Hemisfério Ocidental e muito abundante em partes de sua distribuição, como no sul do Brasil. A espécie é insetívora e possui grande importância econômica ligada ao seu serviço no controle de populações de insetos, incluindo pragas agrícolas. Está adaptada a habitats antropizados, utilizando construções como abrigo e gerando conflitos com as populações humanas. Nos Estados Unidos, trabalhos realizados indicam que os abrigos são selecionados com base em suas características estruturais e características da paisagem no entorno do abrigo. Porém, nunca foi investigado quais fatores são preponderantes na determinação de parâmetros de composição das colônias, como o número de indivíduos e razão sexual, durante o período reprodutivo. O objetivo deste trabalho foi avaliar a ocupação diferencial de abrigos antrópicos de T. brasiliensis durante a estação reprodutiva no extremo sul do Brasil, testando a hipótese de que o número de indivíduos e a razão sexual sejam influenciados pelo microclima do interior do abrigo, características físicas dos abrigos e pela paisagem do entorno. O trabalho foi realizado durante a primavera e o verão entre os anos de 2015 e 2018 no município de Capão do Leão (RS), no Bioma Pampa. Foram realizadas contagens do número de indivíduos em 26 abrigos durante a emergência dos morcegos ao anoitecer através de filmagens com câmeras de infravermelho e de contagens visuais. As capturas foram realizadas em 11 abrigos com redes de neblina e armadilha de harpa para a avaliação de composição da colônia. Foram obtidos dados de temperatura máxima, média e mínima, amplitude térmica e umidade do interior dos abrigos, analisadas sete variáveis de características dos abrigos e três da paisagem em torno do abrigo (raio de 100 metros). Em cada escala foram construídos modelos lineares com as combinações de todas as variáveis, os modelos foram comparados através do AICc e quando mais de um modelo apresentou valor de Δ AICc < 2 foi construído um modelo médio com os modelos selecionados. Os resultados demonstraram que o número de indivíduos e a razão sexual variam entre os abrigos e são influenciados por características dos prédios e pela paisagem no entorno. Entretanto, não parece haver ocupação diferencial dos abrigos em relação ao microclima. Abrigos localizados no forro de construções e com revestimento de laje e madeira comportam colônias maiores. Abrigos com maior número de indivíduos foram associados a uma maior proporção de áreas abertas. Colônias com uma maior proporção de fêmeas foram associadas a abrigos não perturbados e sem vegetação arbórea obstruindo o ponto de saída, o que está relacionado à acessibilidade desses locais. Também foi observado que certos abrigos concentram um maior número de indivíduos e nestes abrigos a razão sexual é desviada em favor das fêmeas. Sugerimos que, a partir do entendimento das preferências de abrigos da espécie, seja planejada a criação de abrigos alternativos, visando à conservação da espécie e diminuição de conflitos com humanos.

Palavras-chave

Abrigos em construções, ecologia de abrigo, microclima, paisagem

Financiamento

Conselho Nacional do Desenvolvimento em Científico e Tecnológico (CNPq)

Área

Ecologia

Autores

Isadora Brauner Lobato, Adeline Dias Franco, Ana Maria Rui, Maria João Ramos Pereira