X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

LEVANTAMENTO DE MORCEGOS EM AREAS URBANAS DE GASPAR, SANTA CATARINA

Resumo

Mesmo em centros urbanos, algumas espécies de morcegos conseguem resistir à ação antrópica, vivendo em remanescentes florestais ou se adequando às áreas urbanas, aproveitando-se das construções humanas como abrigo, também de praças, do plantio de árvores frutíferas e da iluminação pública, que proporciona alimento, fazendo com que se mantenham nas áreas urbanas. Conhecer a riqueza e diversidade de quirópteros, levantar uma lista de espécies de morcegos que frequentam as áreas urbanas e periféricas da cidade de Gaspar, comparar áreas urbanas centrais com urbanas periféricas são os objetivos deste trabalho. Para isso, foram realizadas capturas com redes de neblina em três bairros centrais: Centro, Coloninha e Sete de setembro e cinco periurbanos: Arraial, Bela Vista, Belchior Baixo, Poço Grande e Santa Terezinha, em colônias presentes em construções humanas assim como praças, terrenos baldios e pastagens. Os morcegos capturados eram identificados, anilhados e sexados. Foram capturados 143 indivíduos pertencentes a três famílias e 13 espécies, o que representa 7,3% da riqueza nacional. O índice de diversidade de Margalef apresentou uma superioridade numérica para as áreas urbanas periféricas (4,42) ao encontrado nas áreas centrais (3,08), contudo, quando se testa estatisticamente essa diferença, o resultado não apresenta diversidade estatisticamente superior para as áreas urbanas periféricas. A similaridade entre as áreas foi de 0,63. O índice de constância classificou somente A. lituratus como espécie constante na área central e A. lituratus, D. rotundus, Eptesicus spp e M. nigricans como relativamente constantes para áreas periféricas. O Índice de Margalef não apresentou diferenças significantes quanto a diversidade pois Gaspar possui centros urbanos muito próximas a fragmentos florestais, que oferecem alimento e abrigo para essas espécies, fazendo com que eventualmente algumas espécies adentram áreas urbanas para forragear, devido a arborização e iluminação pública. O índice de Similaridade se mostrou elevado pois das 13 espécies registradas, seis eram comuns entre as áreas estudadas. O fato de Artibeus lituratus ser a única espécie classificada como constante para áreas urbanas centrais, mostra a capacidade de adaptação ao ambiente urbano e tolerância a fragmentação do seu habitat. Trabalhos revelam que Anoura geoffroyi e Pygoderma bilabiatum são espécies que apresentam restrições a ocupação de áreas urbanas, mas, neste estudo foram registradas na cidade, isso mostra a importância dos fragmentos florestais presentes nestas áreas, pois fornecem condições para que estas espécies sejam encontradas no ambiente urbano. Desmodus rotundus já vem sendo registrado em áreas urbanas por vários estudos, neste trabalho, sua ocorrência nas áreas urbanas periféricas é explicada por criações de gado próximas, que fornecem alimento para que suas populações forrageiem em áreas urbanas. Pesquisas envolvendo morcegos urbanos no Brasil ainda são muito escassas, e este trabalho representa a primeira lista de espécies de morcegos de Gaspar, levantando dados relevantes para a cidade.

Palavras-chave

Chiroptera, inventário, urbano, fragmentação, Gaspar, diversidade.

Financiamento

CNPq

Área

Ecologia

Autores

João Pedro Garcia, Sérgio Luiz Althoff