X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

CARACTERIZAÇAO MOLECULAR DE BETACORONAVIRUS INFECTANDO PECARI TAJACU (LINNAEUS, 1758) NO RIOZOO - ZOOLOGICO DO RIO DE JANEIRO (TAYASSUIDAE: MAMMALIA)

Resumo

A família viral Coronaviridae infecta mamíferos, aves e peixes e é associada a doenças respiratórias e encefalomielites em humanos (Homo sapiens) e porcos (Sus domesticus). A infecção por Porcine hemagglutinating encephalomyelitis virus (PHEV) em porcos causa perdas econômicas na suinocultura por sua alta letalidade, podendo chegar à 100% em leitões. Esse vírus possui genoma de RNA fita simples de polaridade positiva com 25-30Kb, cuja porção 5’ contém o gene da replicase (Orf1a&b), seguido por genes estruturais, não-estruturais e acessórios (cujo número varia entre os gêneros virais desta família). Em setembro de 2018, três catetos (Pecari tajacu) idosos abrigados no Jardim Zoológico da Cidade do Rio de Janeiro (RIOZOO) apresentaram mal súbito, diarreia, fraqueza, perda de peso acentuada e foram a óbito em poucos dias, sintomas típicos de infecção por PHEV em leitões. A necropsia mostrou danos pulmonares e neuronais e a causa da morte foi definida como choque neurogênico. Amostras de lavado anal dos três animais coletadas antes de irem a óbito foram usadas para análises de viroma e resultaram na identificação de 1.927 reads com 94% de similaridade com PHEV (GenBank DQ011855). Até o momento, nenhum coronavírus infectando cateto foi descrito na literatura, porém esse é um grupo cuja transmissão zoonótica é bem estabelecida, fundamental para sua disseminação. Sabemos, por exemplo, que a SARS-CoV e MERS-CoV são variantes de cepas de coronavírus de morcego infectando seres humanos. No presente trabalho, buscamos determinar se esta cepa de Coronavírus é uma nova espécie viral que infecta naturalmente P. tajacu ou se é uma transmissão zoonótica para P. tajacu. Por meio de análise filogenética do fragmento genômico do gene Orf1a&b (19.887pb; 92% de cobertura gênica comparado ao PHEV), pelo método de Maximum-likelihood e análise de robustez dos ramos utilizando 1.000 réplicas de bootstrap, identificamos que o vírus pertence ao gênero Betacoronavirus, subgrupo A, agrupando com o BCov (Bovine Coronavirus) e ambos os vírus formam um clado com HCoV (Human Coronavirus) e PHEV. Logo, a infecção dos catetos parece ter se originado de um evento de transmissão zoonótica, onde a fonte de transmissão pode ter sido humano, porco, boi ou algum hospedeiro ainda não descrito na literatura. A partir destes dados, um total de 28 primers foram desenhados e serão utilizados para amplificar o restante do genoma. Desta forma, será possível identificar corretamente esta cepa por meio de uma matriz de identidade de aminoácidos de domínios conservados do grande gene de Replicase Orf1a&b. Valores maiores do que 90% confirmarão qual cepa (BCoV, HCoV ou PHEV) originou o vírus que infectou os catetos. Sendo assim, concluímos que o vírus pertence ao gênero Betacoronavírus, oriundo de uma possível transmissão zoonótica. O sequenciamento do genoma completo determinará qual espécie deste gênero originou a cepa infectante destes catetos.

Palavras-chave

Betacoronavírus, PHEV, Cateto, Viroma, zoologico

 

Financiamento

Área

Genética

Autores

Matheus Augusto Calvano Cosentino, Mirela D’arc Ferreira da Costa, Suiane Lima de Souza, Anderson Mendes Augusto, Fernando Trocolli , Carlos Eduardo da Silva Verona, André Felipe Andrade dos Santos, Marcelo Alves Soares Alves Soares