X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

MONITORAMENTO DA MASTOFAUNA ATROPELADA EM TRES RODOVIAS DO MUNICIPIO DE LONDRINA, PARANA.

Resumo

A classe Mammalia agrupa espécies de grande importância ecológica dentre as quais ocupam grande variedade de ambientes. Ainda assim, essa parcela da fauna está entre as que mais sofrem impactos diretos e indiretos das atividades humanas. Além de intensa fragmentação florestal dada pela atividade agrícola e expansão urbana, a fauna pode sofrer os impactos da instalação e uso de rodovias, principalmente ao transitar entre os remanescentes naturais atravessa uma via. A região de Londrina, norte do Paraná, apresenta essa paisagem heterogênea com malha viária de intenso tráfego. Dessa forma, visamos monitorar três principais rodovias desse município com o objetivo de avaliar a interação das rodovias sobre a fauna de mamíferos atropelados na paisagem regional. Foram realizadas 34 idas à campo (uma ronda por semana), realizadas de automóvel à velocidade média de 60km/hora, no período de março de 2018 à janeiro de 2019 nas rodovias: PR-538, PR-445 e PR-218, com extensões de, 46 km, 23 km e 21 km, respectivamente, somando 90 km por ronda. Os registros de atropelamentos tiveram espécies identificadas e as coordenadas geográficas registradas com GPS. Os dados de atropelamentos foram organizados e analisados nos programas excel e SIRIEMA v2.0. No software SIRIEMA foram estimados os agrupamentos dos pontos e os hotspots de atropelamento por meio da estatística K de Ripley-2D e análise de Hot Spots 2D. A fauna exótica foi incluída nas análises para estimar riscos de segurança para o tráfego de veículos, sendo retiradas posteriormente para avaliar o impacto sobre a fauna nativa. Foram registrados 133 mamíferos atropelados classificados em 15 espécies, em uma média de atropelamentos de 3,9 indivíduos por dia. Dessas espécies, Dasypus novemcintus e Cerdocyon thous foram as espécies nativas mais registradas enquanto das espécies exóticas e sinantrópicas, Didelphis albiventris e Canis familiaris foram as mais afetadas e localizadas mais próximas aos centros urbanos. Os primeiros agrupamentos significativos surgem a partir de 1,5 km de raio da análise entre os pontos de atropelamento (95% de intervalo de confiança). Os hotspots gerados a partir do conjunto de agrupamentos significativos foram identificados em 2,75 km da PR-445, e em 3,3 km da PR-538, enquanto a PR-218 não apresentou hotspots, sendo os pontos distribuídos aleatoriamente neste trecho. Dentre as três rodovias, a PR-445 apresenta maiores problemas com a fauna uma vez que concentrou 69 registros de mamíferos e uma densidade de atropelamentos que reflete em 1 registro a cada 8,33 km/dia, contra 1 registro a cada 11,11 km/dia da PR-538. Essa maior densidade de atropelamentos na PR-445 provavelmente está relacionada ao intenso tráfego de veículos, uma vez que é a principal ligação do município com outras regiões do estado. A localização dos hotspots em geral está relacionada à presença de habitats florestais e cursos d’água ao longo dos trechos avaliados. Os hotspots de mamíferos atropelados funcionam como indicadores de pontos para o uso de medidas mitigadoras assim como apontam os locais para o planejamento e implementação de ações de proteção da fauna e segurança nas estradas.

Palavras-chave

ecologia de estradas, Londrina, conservação, monitoramento

Financiamento

Grupo Boticário

Área

Ecologia

Autores

Renan Campos Oliveira, Carlos Eduardo Faresin SIlva, Marcelo Okamura Arasaki, Cléber Gustavo de Góes, Eduardo Issberner Panachão