X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

DIGA-ME COMO CLICAS QUE TE DIREI QUEM ES: E POSSIVEL DIFERENCIAR OS CLIQUES DE ECOLOCALIZAÇAO ENTRE A BALEIA-PILOTO E O GOLFINHO-DE-RISSO?

Resumo

O golfinho-de-Risso (Grampus griseus) e a baleia-piloto (gênero Globicephala) (Ordem Cetartiodactyla, Família Delphinidae e Sub-família Globicephalinae), são cetáceos normalmente encontrados em águas pelágicas e pouco amostradas, onde perfazem grandes mergulhos a procura de presas como lulas na camada mesopelágica. Estes animais utilizam cliques de ecolocalização para capturar suas presas, permitindo sua detecção através do monitoramento acústico passivo (MAP). No entanto, a classificação das espécies através dos sons impõe dificuldades devido à sobreposição de características dos sinais entre os delfinídeos. Neste estudo foram descritas e comparadas as características acústicas dos cliques de ecolocalização do golfinho-de-Risso e da baleia-piloto registradas pelo Projeto de Monitoramento de Cetáceos da Bacia de Santos (PMC-BS), realizado na Bacia de Santos, entre Florianópolis/SC e Cabo Frio/RJ. Este projeto foi financiado pela PETROBRAS e definido no Licenciamento Ambiental Federal do Pólo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo IBAMA. Os dados referem-se ao trabalho de levantamento visual e acústico de cetáceos, realizados através de seis cruzeiros de pesquisa com amostragem sistemática entre 2015 e 2018, utilizando um rebocador de 23m com um cabo rebocado de hidrofones. Um total de 224 dias, 2.398 hrs e 31.197 km foram amostrados em esforço. A coleta foi feita por observadores e técnicos de MAP experientes. No total foram seis encontros com o golfinho-de-Risso e nove com a baleia-piloto, todos identificados taxonomicamente através da visualização de caracteres morfológicos diagnósticos. Devido à dificuldade de identificação no campo, a baleia-piloto não foi separada em nível de espécie. Apenas em um encontro foi confirmada a espécie baleia-piloto-de-peitorais-curtas (Globicephala macrorhynchus), através de coleta de tecido e análise genética. De um total de 1.049 cliques do golfinho-de-Risso analisados, a duração média de cliques foi 269,7 μs (DP= ± 151,2) e a frequência pico e centróide média de 46,8kHz (DP=±9,3) e 49,3kHz (DP= ±7,3), respectivamente. Enquanto para as baleias-piloto, num total de 344 cliques analisados, a duração média foi 220,7 μs (DP=± 198,8), a frequência pico média de 34,3kHz (DP=± 9,3) e a freqüência do centróide média de 36,7kHz (DP=± 8,1). As baleias-piloto apresentaram valores distintos em comparação com estudos anteriores relatados para ambas as espécies de Globicephala. Nossos resultados provavelmente representam cliques de G. macrorhynchus, que foi a única espécie confirmada na Bacia de Santos. É provável que G. macrorhynchus seja mais frequente na região devido aos seus hábitos de usar águas mais quentes e tropicais. Com relação a comparação entre o golfinho-de-Risso e a baleia-piloto, ambas as espécies apresentaram diferenças estatisticamente significativas entre os parâmetros analisados (frequência pico, frequência centroide, largura de banda RMS, largura de banda -3dB, fator Q para RMS, -3dB e -10dB). Uma vez que os sinais acústicos são derivados de uma fonte geradora de sons com morfologias específicas, as maiores frequências dos cliques do golfinho-de-Risso podem ter relação com o menor tamanho desta espécie em relação às baleias-piloto. Essas diferenças acentuam a distinção entre as duas espécies e maximizam as aplicações em rotinas de detecção e classificação automatizadas para monitoramento acústico passivo. 

Palavras-chave

Mamíferos marinhos, Delphinidae, Grampus griseus, Globicephala sp., cliques de ecolocalização, bioacústica, monitoramento acústico passivo.

Financiamento

O estudo foi apoiado financeiramente pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Área

Ecologia

Autores

Leonardo Leão Versiani, Alexandre Douglas Paro, Daniel Campbell, Ubirajara Gonçalves, Leonardo Liberali Wedekin, Marcos Roberto Rossi-Santos, Eduardo Barros Fagundes-Netto