X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

MORCEGOS EM CAVERNAS NEOTROPICAIS: EFEITO DA CONSERVAÇAO AMBIENTAL NA SELEÇAO DE ABRIGO E COMPOSIÇAO DA COMUNIDADEO

Resumo

Muitas espécies de morcegos usam cavernas como locais de descanso e acasalamento, porém são dependentes dos recursos encontrados nos ecossistemas circundantes. Apesar de padrões para seleção de abrigos por morcegos já serem de conhecimento cientifico a relação do ambiente do entorno e a ocorrência de morcegos ainda é um tema inexplorado. Neste estudo, avaliamos como a diversidade e padrões de seleção de abrigos por morcegos são influenciadas pelos distúrbios antropogênicos nos ecossistemas circundantes de cavernas no estado de Minas Gerais, sudeste do Brasil. Foram amostradas 133 cavernas, com ecossistemas circundantes classificados como perturbados (n= 68) ou conservados (n= 65).  Cavernas em unidades de conservação, a pelo menos 100 m de atividades humanas (pastagens, estradas pavimentadas, minas, construções e calcinação) e cobertas com mais de 60% de vegetação natural (savanas, florestas, cangas ou pradarias rochosas) foram classificadas na categoria “conservadas". Cavernas localizadas a menos de 100 m das atividades humanas e com menos de 60% de vegetação natural foram classificadas na categoria “perturbadas”. Foi testada a relação entre a ocorrência de morcegos em função da temperatura e desenvolvimento horizontal das cavidades, através de uma regressão logística múltipla, ajustada para distribuição binomial. Foi aplicada uma análise de redundância para testar a influência do ambiente circundante na composição de espécies, usando uma transformação presença-ausência para dados da comunidade. Todas análises e gráficos foram gerados usando o software R. Ao todo foram registradas 19 espécies e quatro famílias de morcegos habitantes nas cavidades. Foi possível notar que a temperatura (P<0.001 e Z=3.11) e desenvolvimento horizontal (P<0.001 e Z=6.54) foram determinantes para a ocorrência de morcegos. Em cavidades em ambientes conservados para se chegar a 80% de ocorrência de morcegos as cavernas deveriam ter temperatura média de 22°C e desenvolvimento linear de 27 metros. Já cavidades em ambientes alterados para a mesma probabilidade de ocorrências cavernas deveriam ter temperatura média 24 °C e desenvolvimento horizontal acima de 100 metros. Foi notada a diferença na composição da comunidade de morcegos habitantes nas cavidades em função do ambiente do entorno (P<0.001 e Z= 1.6). Como já de conhecimento cientifico, o tamanho e temperatura das cavidades influenciam na ocorrência de morcegos, no qual cavidades maiores e mais quentes têm maior probabilidade de serem ocupadas. Com o presente estudo foi elucidado que estes padrões são alterados pelo status de conservação do ambiente do entorno. Nós argumentamos que devido a instabilidade ambiental inerente à atividade humana, a qualidade do abrigo deve ser maior em ambientes alterados para que seja possível a manutenção de agrupamentos de morcegos.  A mudança na composição da comunidade de morcegos ocorrentes em cavernas era um resultado esperado, uma vez que com a alteração do habitat há perda de recursos utilizados pela comunidade de morcegos.  Os resultados obtidos sinalizam para a conservação de ecossistemas subterrâneos no Brasil e que a conservação efetiva da biodiversidade cavernícola requer proteção legal dos ecossistemas circundantes.

Palavras-chave

Biodiversidade, Chiroptera, Perturbação antrópica, lei ambiental brasileira

Financiamento

Área

Ecologia

Autores

Leonardo Henrique Dias-Silva, Renata Lara Muylaert, Tadeu José Guerra, Algusto Milagres Gomes, Gisele Lessa