X CONGRESSO BRASILEIRO DE MASTOZOOLOGIA

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


TÍTULO

COMPOSIÇAO E SAZONALIDADE DE MAMIFEROS EM TRES MUNICIPIOS DO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANA, BRASIL

Resumo

Os mamíferos são considerados em sua grande maioria biondicadores naturais, uma vez que apresentam atributos ecológicos importantes na estruturação das comunidades e na compreensão dos efeitos da fragmentação de habitats. O presente estudo identificou a presença ou ausência de mamíferos de pequeno, médio e grande porte em ambientes de remanescentes florestais nos municípios de Capanema, Capitão Leônidas Marques e Realiza, no estado do Paraná. Os registros obtidos foram correlacionados ao habitat e as variações pluviométricas, contemplando as quatro estações anuais. A área de estudo, inserida no Bioma Mata Atlântica, que figura entre os cinco primeiros biomas no hanking dos Hotspots, sofre intensa pressão agrícola, com fragmentos florestais isolados, sem conectividade entre si e com poucos corredores ecológicos. Foram monitorados 11 pontos, amostrados em oito campanhas trimestrais com duração média de 12 dias, entre os anos de 2013 e 2015. Os mamíferos de pequeno porte não voadores foram registrados por armadilhas de captura viva (tomahawk) e de interceptação e queda (pitfall), os mamíferos voadores com redes de neblina (mist-net) e os de médio e grande porte com armadilhas fotográficas e observações diretas e indiretas através de transectos. Foram registradas 42 espécies de mamíferos (oito pequenos não voadores, nove voadores e 25 de médio e grande porte). A maior riqueza de mamíferos não voadores foi observada durante o outono (n = 28; março-maio), nos ambientes de áreas abertas a fragmentos florestais. Dos 606 espécimes de mamíferos não voadores, 225 ocorreram tanto no outono (março) quanto na primavera (setembro), principalmente nos fragmentos florestais. Dos 806 espécimes de morcegos registrados, predominaram as espécies associadas a ambientes florestas, com maiores abundâncias na primavera (n = 271), não sendo registrada diferença significativa de riqueza. Seis mamíferos foram classificados em algum nível de ameaça de acordo com as listas do IUCN, MMA e estado do Paraná (Leopardus guttulus, L. pardalis, L. wiedii, Puma concolor, P. yagouaroundi e Tapirus terrestris). Foi registrado um mamífero endêmico (Guerlinguetus ingrami) e um exótico (Lepus europaeus). Todas as espécies de morcegos foram generalistas, sendo apenas Desmodus rotundus especialista e hematófago, representando maior interesse em saúde pública do que conservacionista. Quanto a sensibilidade ambiental, Tapirus terrestris se destaca na literatura como biodicadora associada a ambientes bem preservados. Durante o estudo apenas três indivíduos dessa espécie foram registrados. Adicionalmente, os mamíferos não voadores Hydrochaerus hydrochaeris, Didelphis albiventris e Dasypus novemcintus, e os morcegos Artibeus liturarus e Sturnira lilium, foram as espécies mais abundantes e bem distribuídas em todos os pontos amostrais. A composição de mamíferos nas áreas estudadas demonstrou grande número de espécie que ocorreram uma única vez e com apenas um único registro, apresentando possível reflexo do grau de fragmentação e uso antrópico das áreas.

Palavras-chave

mastofauna, bioindicador, Mata Atlântica, abundância, riqueza

Financiamento

Área

Ecologia

Autores

Karla Dayane Lima Pereira, Éder Ricardo Paetzhold, Murillo Alvarenga Pimenta, Myllena Martins